Identification of Pedestrian Preference Pattern for Central Area of Goiânia City in Brazil

Identificação do Padrão de Preferência de Pedestres na Área Central da Cidade de Goiânia no Brasil

Autores

  • Cristiano Farias Almeida Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil, cristianofarias@ufg.br https://orcid.org/0000-0002-5769-3675
  • Cássia Alencar da Silva Oliveira Universidade Federal de Goiás, Gioânia, GO, Brasil, arqcassiaalencar@hotmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/revjat.v4.74667

Palavras-chave:

Pedestrian, mobility, stated preference technique, sidewalks

Resumo

É conhecida a necessidade de estabelecer políticas de mobilidade urbana que privilegiem os pedestres, os quais são os elementos mais vulneráveis ​​do sistema de transporte. Nesse sentido, esse estudo teve como objetivo identificar o padrão de preferência do pedestres em calçadas, utilizando a técnica Walkability Index e Stated Preference. A metodologia desenvolvida para alcançar o objetivo é composta pelas seguintes etapas: (i) definição da área de estudo, (ii) caracterização da área de estudo, (iii) definição de variáveis, (iv) coleta de dados, (v) cálculo de o Índice de Caminhabilidade, (vi) tratamento dos dados do inquérito de preferência declarada, (vii) análise dos resultados e definição de linhas orientadoras. Foi realizado um estudo de caso no setor central de Goiânia (GO) a fim de validar a metodologia apresentada. Assim, o estudo se propõe a investigar as preferências de pedestres em calçadas a fim de fornecer subsídios para auxiliar o planejamento de sistemas de mobilidade orientados para pedestres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiano Farias Almeida, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil, cristianofarias@ufg.br

Professor da Escola de Engenharia Civil, coordenador do Núcleo de Pesquisa em Transportes (NPT-UFG).

Cássia Alencar da Silva Oliveira, Universidade Federal de Goiás, Gioânia, GO, Brasil, arqcassiaalencar@hotmail.com

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Estadual de Goiás (2010), especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Brasileira de Educação e Cultura (2015) e mestranda em Arquitetura e Urbanismo, no Programa de Pós Graduação Projeto e Cidade, da Universidade Federal de Goiás. Servidora pública, atua como fiscal de edificações e loteamentos na Prefeitura Municipal de Aparecida de Goiânia, onde trabalha com questões urbanas, Código de Edificações, Lei de Zoneamento e Plano Diretor, inspeciona o controle do uso e ocupação do solo e vistoria edificações residenciais, comerciais, industriais e institucionais.

Referências

ANTP. Associação Nacional de Transportes Públicos. Política Nacional de Trânsito. São Paulo: Ed. ANTP, 2002.

ANTP. Associação Nacional de Transportes Públicos. Relatório 2016: sistema de informações da mobilidade urbana da ANTP. São Paulo: Ed. ANTP, 2018.

BASTOS, L. C. Planejamento da Rede Escolar: Uma Abordagem Utilizando Preferência Declarada, Tese de Doutorado, Curso de Pós Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, 1994.

BATES, J. Econometric Issues in Stated Preference Analysis, Journal of Transport Economics and Policy. 1988.

BRASIL. Lei 9.503, de 23 de setembro de 1997. Código de Trânsito Brasileiro.

BRASIL. Lei 12.587, de 3 de janeiro de 2012, que Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana. Publicada no Diário Oficial da União em 4 de janeiro de 2012.

CARPINETTI, L. C. R. Planejamento e análise de experimentos. USP, Departamento de Produção. 216p, 2003.

CARRENO, M.; WILLIS, A.; STRADLING, S. 2002. Quality of service for pedestrians: closing the gaps in knowledge. Traffic and Transportation Studies. 2002. p. 326-333.

COMPANHIA METROPOLITANA DE TRANSPORTES COLETIVOS (CMTC). Plano Diretor de Transporte Coletivo Urbano da Grande Goiânia – PDSTC 2006. Goiânia, 2007.

DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito, Anuário de Frota de Veículos, 2018. Disponível em: http://www.denatran.gov.br/frota.htm. Acessado em 18 de agosto de 2019.

FONTES, A. M. L. C.; RAMOS, R. A. R.; LOURENCO, J.M.B.B. Qualidade pedonal urbana – o caso de Braga. In: 1o Congresso Luso-Brasileiro para planejamento urbano, regional, integrado e sustentável – PLURIS. Lisboa: anais eletrônicos do PLURIS, 2005.

FREITAS, A.A.F. Modelagem Comportamental dos Decisores através de Técnicas de Preferência Declarada: Uma Aplicação no Setor Imobiliário de Florianópolis-SC, Dissertação de Mestrado, Curso de Pós Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, 1995.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GONDIM, M. Cadernos de Desenho - Ciclovias. 2010. Disponível em: http://solucoesparacidades.com.br/mobilidade/caderno-de-desenho-ciclovias/. Acesso em: 28.jul.2017.

IBGE. Censo Demográfico, 2018. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2019.

ITDP. Instituto de Políticas de Transportes e Desenvolvimento. Índice de Caminhabilidade: Ferramenta. 2016. Disponível em: http://itdpbrasil.org.br/indice-de-caminhabilidade-ferramenta/. Acesso em: 28.jul.2017.

JACOBS, J. Morte e Vida de Grandes Cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

KROES, E.P.;SHELDON, R.J. Stated Preference Methodos, Journal of Transport Economics and Policy , January, pp. 11-20, 1988.

LARRAÑAGA, A. M.; CYBIS, H. B. Análise do padrão comportamental de pedestres. In: XXI Congresso de Pesquisa e Ensino em Transportes, ANPET. Rio de Janeiro, 2007.

LARRAÑAGA, A. M. Análise do Padrão comportamental de pedestres. Dissertação de Mestrado. Departamento de Produção e Transportes. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008.

LARRAÑAGA, A. M.; RIBEIRO, J. L. D; CYBIS, H. B. B. Fatores que afetam as decisões individuais de viagens a pé: estudo qualitativo. In: Congresso de Pesquisa e Ensino em Transporte - 17o ANPET. Curitiba: Anais eletrônicos do ANPET, 2009.

LAY, M.C.D.; REIS, A.T.L. Análise quantitativa na área de estudos ambiente-comportamento. Porto Alegre: Ambiente Construído, v. 5, n. 2, p. 21- 36, abr./jun. 2005.

LUZ, P. R. P. Um estudo de caso utilizando técnicas de preferência declarada para análise do fluxo e permanência de veículos em áreas delimitadas. Dissertação de Mestrado – Programa de pós graduação em Engenharia de Produção – UFSC, 1997.

MALATESTA, M. E. B. Andar a pé: Um modo de transporte para a Cidade de São Paulo. Dissertação (mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 2007.

MELO, F. B. Proposição de medidas favorecedoras à acessibilidade e mobilidade de pedestres em áreas urbanas. Estudo de caso: o centro de Fortaleza. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Ceará, 2005.

MUMFORD, L. A cidade na História – suas origens, transformações e perspectivas, São Paulo: Martins Fontes, 1998.

OKAMOTO, J. Percepção ambiental e comportamento: visão holística da percepção ambiental na arquitetura e na comunicação. São Paulo: Mackenzie, 2002.

OPAS. Organização Pan-Americana da Saúde. Segurança de pedestres: Manual de segurança viária para gestores e profissionais da área. Brasília, DF: OPAS, 2013.

ORTUZAR, J; WILLUMSEN, L. G. Modeling Transport. John Wilwy e Sons, New York, USA, 1994.

SEMOB - Secretaria Nacional de transporte e da Mobilidade Urbana. Brasil acessível – Programa Brasileiro de Acessibilidade Urbana. Caderno 2: construindo a cidade acessível. 1ª ed. Brasília, 2006.

VASCONCELLOS, E. A. Transporte Urbano, Espaço e Equidade. Análise das Políticas Públicas. 2ª ed. São Paulo: Net Press, 1998.

card

Downloads

Publicado

2022-12-10

Como Citar

ALMEIDA, C. F.; OLIVEIRA, C. A. da S. Identification of Pedestrian Preference Pattern for Central Area of Goiânia City in Brazil: Identificação do Padrão de Preferência de Pedestres na Área Central da Cidade de Goiânia no Brasil. Revista Jatobá, Goiânia, v. 4, 2022. DOI: 10.5216/revjat.v4.74667. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revjat/article/view/74667. Acesso em: 4 jun. 2023.

Edição

Seção

Artigos livres