Ferramentas digitais na conservação do art déco

Autores

  • Fábio Lima UFG

DOI:

https://doi.org/10.54686/revjat.v3i.71867

Palavras-chave:

Conservação. Art Déco. Arte Edificada. Ferramentas Digitais.

Resumo

Os edifícios históricos podem nos comunicar uma grande quantidade de informações e fundam numa determinada comunidade um sentido de origem, assim como qualidades singulares de identidade. Para uma cidade que estava sendo construída, o patrimônio art déco de Goiânia surgiu principalmente como caráter simbólico de poder e progresso. Hoje, bastante disperso no meio de tantas outras edificações, requer considerações sensíveis. Esse tipo de arte edificada não é simples resultado da composição funcional de volumes, nem muito menos mera decoração de superfície, mas a representação de visões e valores de época. Constituem inegáveis bens culturais que devem ser investigados para fins de melhores usos urbanos, como referências fundamentais na compreensão do passado. Dentro das nossas atuais circunstâncias, as tecnologias digitais são ferramentas que podem contribuir decisivamente na conservação desse patrimônio.

Referências

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. Trad. Juliano Vieira Machado. São Paulo: Estação Liberdade: Ed. UNESP, 2001.

CLIFFORD, James. The Predicament of Culture: Twentieth Century Ethnography, Literature, and Art, Cambridge, MA: Harvard University Press,1916.

COELHO, Gustavo Neiva. Ferrovia: 150 anos de arquitetura e história. Goiânia: Trilhas Urbanas, 2004.

DEMPSEY, Amy. Estilos, escolas e movimentos. Trad. Carlos Eugênio Marcondes de Souza. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

EASTMAN, Chuck. et al. Manual de BIM: um guia de modelagem da informação da construção para arquitetos, engenheiros, gerentes, construtores e incorporadores. Trad. Cervantes Golçalves Ayres Filho et al. Porto Alegre: Bookman, 2014.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Trad. Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro Editora, 2006.

HURLBURT, Allen. Layout: o design da página impressa. Trad. Edmilson O. Conceição, Flávio M. Martins. São Paulo: Nobel, 2002.

MACHADO, Arlindo. Máquina e Imaginário. São Paulo: Senac, 2000.

MANSO, Celina F.A. (Org.) Goiânia art déco: acervo arquitetônico e urbanístico – dossiê de tombamento. Goiânia: Seplan, 2004.

OLIANI, Luiz O. Noções de cadastro territorial multifinalitário. Série de cadernos técnicos da agenda parlamentar. CREA, 2016. Disponível em <http://mundogeo.com/arquivos/news/ nocoes_cadastro_territorial-final.pdf> Acesso 16 set 2018.

UNES, Wolney. Identidade art déco de Goiânia. São Paulo, Ateliê Editorial; Goiânia, Ed. da UFG, 2001.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

LIMA, F. Ferramentas digitais na conservação do art déco. Revista Jatobá, Goiânia, v. 3, 2021. DOI: 10.54686/revjat.v3i.71867. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revjat/article/view/71867. Acesso em: 7 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos livres