ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO RELACIONADO à EXPANSÃO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE GOIÂNIA POR MEIO DE CLASSIFICAÇÃO SEGMENTADA DE MÁXIMA VEROSSIMILHANÇA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54686/revjat.v3i.71352

Palavras-chave:

Transporte e uso do solo, Aeroporto, Máxima Verossimilhança

Resumo

O crescimento da população é um dos principais fatores que contribuem para o desenvolvimento de modos de transportes mais eficientes. Ao longo das décadas, vários autores tentaram desenvolver conceitos explicativos sobre este fato. O aumento da demanda pode ser diferente em função do investimento no modo de transporte, da mesma forma que o transporte pode alterar o uso do solo e, este por sua vez pode influenciar o transporte. Nesse sentido, este artigo tem como objetivo analisar as alterações ocorridas pela ampliação e a mudança do terminal de passageiros do Aeroporto Internacional de Goiânia - Santa Genoveva (SBGO) geraram no uso do solo local. No desenvolvimento do trabalho foi usado um método indireto, por meio de Sistema de Informação Geográfica (SIG), denominado de técnica de Classificação Segmentada de Máxima Verossimilhança (MAXVER), que resulta em mapas temáticos para tal análise. Os resultados mostraram-se eficientes na análise qualitativa e foi possível constatar o aumento de áreas comerciais, industriais e também de áreas verdes.

Biografia do Autor

Cristiano Farias Almeida, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Pará (1999), mestrado em Transportes pela Universidade de Brasília (2001), doutorado em Transportes pelo Nagoya Institute of Technology no Japão e pela Universidade de Brasília (2008), e Pós-Doutorado em Desenvolvimento de Cluster Logístico pela Université de Liège na Bélgica (2020). Atualmente é Professor Associado, Classe D, Nível 2 da Universidade Federal de Goiás. É professor permanente do Programa de Pós-Graduação Projeto e Cidade (FAV/UFG). Atualmente desempenha a função de coordenador do curso de Engenharia de Transportes (FCT/UFG). É coordenador do Núcleo de Pesquisa em Transportes (NPT-UFG). É ex-bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). É ex-bolsista do Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão (Monbukagakusho). É ex-bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). É ex-bolsista do Wallonie-Bruxelles Internacional.be (WBI). É atualmente Embaixador do Wallonie-Bruxelles Internacional.be (WBI) no Brasil. Elaborou o projeto de implantação do primeiro curso de Engenharia de Transportes Bacharelado da Universidade Federal de Goiás, do qual desempenhou função de Coordenador entre 2015 e 2018. Foi membro da Comissão de Implantação da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT/UFG). Foi presidente do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do curso de Engenharia de Transportes da UFG entre 2015 e 2018. Tem experiência na área de Engenharia de Transportes, com ênfase em Planejamento e Organização do Sistema de Transporte, atuando principalmente nos seguintes temas: transporte não-motorizado, transporte rodoviário semiurbano de passageiros, modelagem de redes de transportes, planejamento de transportes e desenvolvimento econômico regional, planejamento, gestão e controle dos transportes, análise espacial aplicada ao planejamento dos transportes, geografia dos transportes, cluster e plataforma logística. 

Michelle Bandeira, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil

Professora Adjunta da Universidade Federal de Goiás na área de Transporte Aéreo. Possui bacharelado em Engenharia Mecânica Industrial pelo Instituto Federal do Maranhão (IFMA), mestrado em Engenharia de Infraestrutura Aeronáutica, com foco em planejamento aeroportuário e doutorado em Engenharia de Infraestrutura, com foco em segurança operacional na aviação civil - ambos pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Realizou Pós-Doc em medida de desempenho de terminais aeroportuários na mesma instituição. Serviu a Marinha do Brasil, como 1ºTenente engenheira RM2 no Centro Tecnológico da Marinha (CTMSP) onde fez parte do Programa do Combustível Nuclear do Brasil. Foi gerente técnico da ANAC/BSB em infraestrutura de transporte aéreo e assessora técnica na diretoria. Prestou consultoria técnica em vários projetos (SAC, OACI, Anac, Petrobras, Fapeu, Abetar, Vunesp). É revisora de artigos e papers nacionais e internacionais de congressos, revistas e journals. É membro da equipe de pesquisa do Laboratório de Análise, Avaliação e Gerenciamento de Risco (LabRisco-USP). Tem interesse nos temas: transporte aéreo & aeroportos, infraestrutura aeroportuária em projeto, planejamento e operações, nível de serviço, logística de aeroportos, acidentes aeronáuticos & excursões/incursões de pistas, confiabilidade humana, análise de risco, fatores humanos e organizacionais, safety & security, falhas em aeronaves, métodos de análise de risco, inteligência artificial, árvore de falhas e redes bayesianas.

Referências

ANAC (2007) Plano Aeroviário do Estado de São Paulo. V. 1. Agência Nacional de Aviação Civil, São Paulo, SP.

ANAC (2018) Declaração de Capacidade: 2018. Disponível em: <http://www.anac.gov.br/assuntos/setor-regulado/empresas/slot/aeroportos/GYN/declaracao-de-capacidade/sbgo_gyn_s18.pdf>. Goiânia: 2018. Acesso em 24 de abril de 2018. Agência Nacional de Aviação Civil

ANAC (2016) Portaria nº 1141/GM5 de 08/12/1987. DOU Nº 187, S/1, 09/12/1987. Disponível em: <https://www.anac.gov.br/assuntos/legislacao/legislacao-1/portarias/portarias-1987/portaria-no-1141-gm5-de-08-12-1987> Agência Nacional de Aviação Civil.

ANAC (2017) Plano Diretor. Disponível em: <http://www.anac.gov.br/assuntos/setor-regulado/aerodromos/planejamento-aeroportuario/planos-diretores-aprovados/sbgo.pdf>. Acesso em 24 de abril de 2018. Agência Nacional de Aviação Civil.

ANAC (2019) Projeto de aeródromos. Regulamento Brasileiro da Aviação Civil RBAC nº 154. Emenda nº 06 Disponível em: https://www.anac.gov.br/assuntos/legislacao/legislacao-1/boletim-de-pessoal/2019/37s1/anexo-i-rbac-no-154-emenda-06. Agência Nacional de Aviação Civil.

ANAC (2021) Por dentro da aviação: Aeroportos – Entendendo como funciona o setor aéreo. Cartilha. Setembro, 21p. Agência Nacional de Aviação Civil.

ASHFORD, N. J.; MUMAYIZ, S. A.; WRIGHT, P. H. (2011) Airport Engineering - Planning, Design and Development of 21 st-century airports. 4th. ed. New Jersey: John Wiley & Sons Inc.

Aviação Brasil (2018) Aeroporto de Goiânia. Disponível em: <https://www.aviacaobrasil.com.br/aeroporto-de-goianiasanta-genoveva/> Acesso em: 13 de junho de 2018.

Campos, V. (2013) Planejamento de Transportes: conceitos e modelos. 1 ed. Interciência, Rio de Janeiro.

Congedo, Luca (2018) Semi-Automatic Classification Plugin Documentation: Versão 6.1.0.1. Disponível em: < https://fromgistors.blogspot.com/p/user-manual.html?spref=scp>. Acesso em 05 de julho de 2018.

FAA (2009) Order 5190.6B Airports - Chapter 20 Compatible Land Use and Airspace Protection.

Fermisson, J.; MACÁRIO, R.; CARVALHO, D. (2004) A Influência das interacções transportes-uso do solo nos padrões de mobilidade urbana: problemas e medidas. Lisboa, Portugal.

Google (2018) Google Earth. Disponível em: < https://www.google.com/earth/>. Acesso em: 01 de julho de 2018.

Gomes, C.; Bayer, M. S. M. (2011) Interações entre Aeroporto, Cidade e Região: Desafios para uma ação a respeito do caso de São José dos Campos SP.

GÜLLER, M.; GÜLLER, M. (2001) From Airport to Airport City - GULLER. ARC: Airport Regions Conference, Barcelona.

Infraero (2018) Aeroporto de Goiânia - Santa Genoveva: Características. Disponível em: <http://www4.infraero.gov.br/aeroportos/aeroporto-de-goiania-santa-genoveva/sobre-o- - aeroporto/caracteristicas/>. Acesso em 20 de abril de 2018. Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária.

INFRAERO (2020). Aeroporto de Goiânia passa a ser Internacional. Disponível em: <https://www4.infraero.gov.br/imprensa/noticias/aeroporto-de-goiania-passa-a-serinternacional-com-aprovacao-da-anac/>. Acesso em: 31 de agosto 2021.

JANIC, M. (2016) Analyzing, modeling, and assessing the performances of land use by airports. International Journal of Sustainable Transportation, [s. l.], v. 10, n. 8, p. 683–702.

KASARDA, J. D.; LINDSAY, G. (2012) Aerotrópole: o modo como viveremos no futuro. Tradução: Sieben Gruppe. São Paulo: DVS Editora.

Magalhães, M. T.; Aragão, J. J.G.; Yamashita, Y. (2014) Definição de transporte: uma reflexão sobre a natureza do fenômeno e objeto da pesquisa e ensino em transportes. Revista Transportes. V. 22. n. 2. Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes.

Nigriello, A.; Pereira, A.; Metran, Jean (2002) Pontos de articulação. Revista dos Transportes Públicos. Ano 25 - 4º trimestre. Associação Nacional de Transportes Públicos.

Pinto, J. C. S. (2012) PLANO DIRETOR. Instituto Tecnológico de Aeronáutica. São Paulo, SP.

Prefeitura de Goiânia (2017) Plano diretor Goiânia do futuro. Goiânia, GO.

Prefeitura de Goiânia (2018) Lei Municipal de N° 5212, de 22 de dezembro de 1976. Disponível em: < https://leismunicipais.com.br/a/go/g/goiania/lei-ordinaria/1976/521/5212/lei-ordinaria-n-5212-1976-criadas-as-seguintes-zonas-especiais> Acesso em 13 junho de 2018.

Santos, L. (2015) Reaprendendo a relação entre transporte e Uso do solo – A importância da expansão dos transportes integrada ao desenvolvimento planejado das cidades. 21ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. AEAMESP. São Paulo, SP.

RMTC (2018) Linha 313. Disponível em: <http://www.rmtcgoiania.com.br/blog/2017/01/25/linha-313-passa-a-atender-o-aeroporto-de-goiania/>. Acesso em 22 de Abril de 2018. Rede Metropolitana de Transportes Coletivos de Goiânia, Goiânia, GO.

Walker, A.; Stevens, N. (2008). Airport city developments in Australia: Land use classification and analyses. 10th TRAIL Congress and Knowledge Market. The Netherlands: Rotterdam 14–15 October.

card

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

ALMEIDA, C. F.; ALMEIDA, S. .; BANDEIRA, M. ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO RELACIONADO à EXPANSÃO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE GOIÂNIA POR MEIO DE CLASSIFICAÇÃO SEGMENTADA DE MÁXIMA VEROSSIMILHANÇA . Revista Jatobá, Goiânia, v. 3, 2021. DOI: 10.54686/revjat.v3i.71352. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revjat/article/view/71352. Acesso em: 7 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos livres