Trilho Bantu em Jundiahy

Escravidão na Construção das Ferrovias no Século XIX

Autores

Palavras-chave:

escravidão. ferrovia. café. trabalhadores. Jundiaí.

Resumo

Na segunda metade do século XIX, transformações significativas no ambiente socioeconômico brasileiro geram uma crise crescente e preocupante. O possível fim da escravidão sob pressão da Inglaterra, o Brasil latifundiário vê-se encurralado, pois foi liberada a construção de ferrovias e a abolição é amplamente debatida. A construção e operação utilizava-se de grande número de trabalhadores do menos ao mais qualificado, e era visto com dificuldades, já que o país até aquele momento apenas se preocupava com a agricultura comercial para exportação e estava sobre os alicerces de uma sociedade escravagista que ruiria a qualquer instante se não se encontrassem novas fontes de mão de obra, e novas formas de exploração além da já existente. Dentro de tal conjuntura, busca-se analisar como ocorreu a construção das ferrovias em São Paulo, especificamente no município de Jundiaí, interior paulista beneficiado pela riqueza oriunda da produção de café e as suas relações de trabalho. Fosse ou não trabalho assalariado, emprego de trabalho escravo? Trabalho sob empreitada? Coercitivo? Subemprego? Imigrantes? Caboclos? Como? Quando?

Biografia do Autor

André Munhoz de Argollo Ferrão, Universidade Estadual de Campinas – Unicamp – Campinas, São Paulo – Brasil

Professor Livre Docente do Departamento de Recursos Hídricos da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, da Unicamp. Doutor em Arquitetura e Urbanismo pela FAU-USP, Mestre em Engenharia Agrícola pela Feagri-Unicamp, Engenheiro Civil, Arquiteto e Urbanista. Tem experiência nas áreas de engenharia de empreendimentos sustentáveis, com ênfase em tecnologia e gestão de processos, sob o enfoque do pensamento complexo; atuando principalmente nos seguintes temas: planejamento e projetos de ordenamento territorial, resiliência e sustentabilidade, arquitetura rural, patrimônio ambiental e paisagem cultural, gestão integrada de bacias hidrográficas, projetos territoriais e arquitetônicos, planejamento da paisagem, desenvolvimento local e regional sustentável, ensino e história das técnicas construtivas, materiais alternativos e tecnologia apropriada. (Texto informado pelo autor)

Referências

ACERVO DO JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO. O Estado de S. Paulo: Páginas da edição de 19 de dezembro de 1890. Disponível em: https://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/18901219-4745-nac-0003-999-3-not. Acesso em: 10 dez. 2020.

ARGOLLO FERRÃO, A. M. Arquitetura do café. 2ª ed. Campinas: Editora Unicamp, 2015.

BENÉVOLO, A. Introdução à história ferroviária do Brasil. Estudo social, político e histórico. Recife: Folha da Manhã, 1953.

BRASIL. Collecção das Leis do Imperio do Brasil. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1870.

COSTA, E. V. Da senzala à colônia. São Paulo: Brasiliense, 1982.

COSTA, W. P. Ferrovia e trabalho assalariado em São Paulo. Dissertação de Mestrado, Unicamp. Campinas, 1976.
CRAWFORD, A. Dorsen tem 8 anos e trabalha 12h/dia para extrair o cobalto dos nossos smartphones e computadores. The Uniplanet, 2017. Disponível em: https://www.theuniplanet.com/2017/03/dorsen-tem-8-anos-e-trabalha-12hdia.html. Acesso em: 04 dez. 2020.

DEBES, C. A caminho do Oeste. História da Companhia Paulista de Estradas de Ferro. São Paulo: Bentivegna, 1968.

DUCKER, J. H. Men of the steel rails. Workers on the Atchinson, Topeka & Santa Fe Railroad, 1869-1900. Londres: University of Nebraska Press, 1983.

FOELKEL, C. Editorial - Miniartigo Técnico: Acerca de Edmundo Navarro de Andrade, Armando Navarro Sampaio e Octávio Vecchi. Eucalyptus - Online Books & Newsletter, 2009. Disponível em: https://www.eucalyptus.com.br/newspt_out09.html. Acesso em: 07 dez. 2020. Acesso em: 04 dez. 2020.

HOBSBAWM, E. J. A era do capital (1849-1875). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

LOPES, N. Novo dicionário Banto do Brasil. Rio de Janeiro: Pallas, 2006.

MORALES, W. F. A escravidão esquecida: a administração indígena na Vila de Jundiaí durante o século XVIII. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo/ Programa de Pós graduação em Arqueologia, 2000 (dissertação de mestrado).

MUSEU DA COMPANHIA PAULISTA BARÃO DE MAUÁ. Estatutos e Relatórios. Jundiaí: 1869 – 1875.

RODARTE, M. M. S. ; PAIVA, C. A. ; GODOY, M. M. Publicação crítica do Recenseamento Geral do Império do Brasil de 1872. Disponível em Base de dados do Access, em: http://www.nphed.cedeplar.ufmg.br/pop-72-brasil/. Acesso em: 04 dez. 2020.

SANTOS, E. P. (Org.). Meu pai foi ferroviário. Memórias dos trabalhadores da estrada de ferro. vol. VII. Jundiaí: Editora In House, 2015.

SÃO PAULO. Collecção das Leis promulgadas pela Assembléa Legislativa da Província de S. Paulo desde 1835 até 1850. São Paulo: Typographia Aurora Paulistana, 1853.

SÃO PAULO. Collecção das Leis e Posturas Municipais promulgadas pela Assembléa Legislativa provincial de S. Paulo. São Paulo: Typographia Americana, 1870, 1871.

SLENES, R. W. "Malungu, ngoma vem!": África coberta e descoberta do Brasil. Revista USP, (12), 48-67, 1992. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i12p48-67. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/25575/27317. Acesso em: 04 dez. 2020.

Downloads

Publicado

23-12-2020

Como Citar

Argollo Ferrão, A. M. de, Ribeiro De Cezare, J. F., & Martelli, M. A. . (2020). Trilho Bantu em Jundiahy: Escravidão na Construção das Ferrovias no Século XIX. Revista Jatobá, 2. Recuperado de https://revistas.ufg.br/revjat/article/view/67065

Edição

Seção

Artigos livres