De Mercado Municipal Vila Operária a Mercado Municipal Centro-Oeste

tempo, história e arquitetura

Autores

Palavras-chave:

Mercados Públicos. Patrimônio Cultural. Mercado Vila Operária. Mercado Centro-Oeste. Goiânia.

Resumo

Este trabalho trata dos mercados públicos – lugares de trocas de longa permanência histórica – no campo da teoria, história e crítica da arquitetura e do urbanismo. Traz como discussão o caso do Mercado Centro-Oeste de Goiânia, um dos três primeiros entrepostos de abastecimento quando ainda se formava a nova capital goiana. Ainda que tanto a feira quanto o mercado da antiga Vila Operária tivessem um importante papel ligado ao abastecimento e, sobretudo, às relações sociais que promoveram na região, o edifício do antigo mercado encontra-se subutilizado e em acelerado processo degradação. A condição de invisibilidade sobreleva a importância de sua documentação e do resgate de sua história.  Para  atingir esse intuito, o artigo foi elaborado a partir de pesquisa documental e levantamentos in loco, com uma breve abordagem acerca da história dos mercados públicos com ênfase na história da formação de Goiânia, seus bairros populares, em especial o Setor Centro-Oeste, anteriormente denominado Vila Operária. O Mercado Centro-Oeste, marco importante desse bairro, é analisado quanto à sua inserção urbana e do contraponto de seu uso original e de seu estado atual. Desse modo, interessam a documentação e a morfologia, tanto do mercado quanto da região em que se insere. Como contribuições, espera-se dar visibilidade ao bairro e ao mercado, demonstrar seu potencial a partir de seus valores originais e dos possíveis usos complementares que o integrem à dinâmica da cidade contemporânea.

Palavras-chave: Mercados Públicos. Patrimônio Cultural. Mercado Vila Operária. Mercado Centro-Oeste. Goiânia.

Referências

BERNARDES, Genilda D’Arc. “O cotidiano dos trabalhadores da construção de Goiânia: O mundo do trabalho e extratrabalho”. Revista UFG. Goiânia: Editora UFG, v. 11, n. 6, p.37-51, jul. 2017. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/48230. Acesso em: 31 mar. 2019.

BORGES, Larissy Barbosa. Entre sons, aromas e sabores - As feiras em Goiânia: história, referência cultural e hibridação entre o moderno. Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, 2013.

BRAUDEL, Fernand. O jogo das trocas. Civilização material, economia e capitalismo: século XV-XVIII. São Paulo, Martins Fontes, 1996.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade; UNESP, 2006.

COSTA, Fernando Viana. Um ornitorrinco no cerrado: bairros populares e outros pioneiros na formação e expansão urbana de Goiânia. 2016. Mestrado em História Cultural – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

COUTINHO, Evaldo. O espaço da arquitetura. São Paulo: Perspectiva, 1998.

FERRETTI, Sérgio. Reeducando o olhar: estudos sobre feiras e mercados. São Luís: Edições UFMA; PROIN(CS), 2000.

GOIÁS DE NORTE A SUL. História do Setor Centro-Oeste. 2016. Disponível em: https://goiasdenorteasul.com.br/programa_goiania--st-centro-oeste_51. Acesso em 10 abr. 2019.

JEUDY, Henri-Pierre. Reparar: uma nova ideologia cultural e política? In: JEUDY, H.P.; JACQUES, P. B. Corpos e cenários urbanos. Salvador: EDUFBA; PPG_AU/FAUFBA, 2006. pp. 13-23.

LIMA, Karla Kellen et al. A construção e a evolução da CEASA-GO: A central de abastecimento do cerrado brasileiro. Revista Baru - Revista Brasileira de Assuntos Regionais e Urbanos, Goiânia, v. 1, n. 1, p. 3-20, dez. 2015. Disponível em: http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/baru/article/view/4459. Acesso em: 21 out. 2020.

LOPES, Ricardo Ferreira; VASCONCELLOS, Lélia Mendes. Considerações sobre os mercados públicos: relação de sociabilidade e vitalidade urbana nas cidades. Anais do III CINCCI – III Colóquio Internacional sobre Comércio e Cidade: uma relação de origem. São Paulo, 2010.

MALARD, Maria Lúcia. Alguns problemas de projeto ou de ensino de arquitetura. Cinco textos sobre arquitetura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005. pp. 79-114.

MUMFORD, Lewis. A cidade na história: suas origens, transformações e perspectivas. São Paulo. Martins Fontes, 1982.

MURILHA, Douglas; SALGADO, Ivone. A arquitetura dos mercados públicos. Tipos, modelos e referências projetuais. Arquitextos, São Paulo, ano 12, n. 138.02, Vitruvius, nov. 2011 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/12.138/4113>.

PINTAUDI, Silvana Maria. “Os mercados públicos: metamorfoses de um espaço na história urbana”. Scripta Nova: Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona: Universidad de Barcelona, v. 10, n. 218, ago. 2006. Disponível em: http://www.ub.es/geocrit/sn/sn-218-81.htm. Acesso em: 31 mar. 2019.

REBELLO. A.X. Revitalização do Mercado Central de Goiânia: Projeto de Gestão. Mestrado em Gestão do Patrimônio Cultural. Instituto Goiano de Antropologia e Arqueologia. IGPA-PUC, Goiânia, 2006.

ROSSI, Aldo. Arquitetura da Cidade. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001 (1a ed. 1966).

SANT‘ANNA, Márcia. “Patrimônio material e imaterial: dimensões de uma mesma ideia”. In: GOMES, M. A. A. F; CORRÊA, E. L. Reconceituações contemporâneas do patrimônio. Salvador: EDUFBA, 2011, p. 193-198.

SERVILHA, Mateus de Moraes; DOULA, Sheila Maria. “O mercado como um lugar social: as contribuições de Braudel e Geertz para o estudo socioespacial de mercados municipais e feiras”. Revista Faz Ciência. Francisco Beltrão: Unioeste, v.11, n.13 Jan./Jun. 2009, pp. 123-142. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/fazciencia/article/download/7610/5602. Acesso em: 14 mar. 2019.

SMITH, Adam. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. São Paulo: Nova Cultura, 1996.

VARGAS, Heliana Comin. Espaço terciário: o lugar, a arquitetura e a imagem do comércio. São Paulo: Ed. SENAC, 2001.

Downloads

Publicado

16-11-2020

Como Citar

Mahler, C. R., & Mello, F. A. O. . (2020). De Mercado Municipal Vila Operária a Mercado Municipal Centro-Oeste: tempo, história e arquitetura . Revista Jatobá, 2. Recuperado de https://revistas.ufg.br/revjat/article/view/65709

Edição

Seção

Dossiê