ELABORAÇÃO DOS PERFIS DAS ÁREAS VERDES DE GOIÂNIA: ANÁLISE DO USO DO SOLO E SÍNTESE DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS ÁREAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/reec.v18i2.71347

Palavras-chave:

Áreas verdes urbanas, Geoprocessamento, Uso do solo, Índice de Vegetação por Diferença Normalizada, Métricas de paisagem

Resumo

RESUMO: Considerando-se o crescimento populacional, se identifica o progresso quanto à ocupação civil dentro de municípios em desenvolvimento, como em Goiânia. Este fenômeno contribui para a redução da vegetação e cede espaço a edificações, tendendo a ocasionar perdas ecológicas e ecossistêmicas. Nos anos de 1985, 2002 e 2019, utilizando-se dados de plataformas de sensoriamento remoto, foi possível, por meio do software QGIS, caracterizar a capital de Goiás quanto à ocupação, ao uso do solo e à qualidade vegetativa pelo índice NDVI. Por meio do pacote landscapemetrics, aplicado ao software RStudio, foi possível obter os valores nos anos limites para as métricas de paisagem: CA, NP, PD, ED, SHAPE e PLAND. Através dos dados obtidos, foi possível comprovar que aproximadamente 40,92% da área do município sofreu alteração no intervalo de 34 anos, sendo a maior transformação associada ao crescimento da infraestrutura urbana e à redução da pastagem, fato que se comprova ao longo do estudo, em especial, na região de perímetro urbano.

ABSTRACT: Considering population growth, progress is identified in terms of civil occupation within developing municipalities, such as in Goiânia. This phenomenon contributes to the reduction of vegetation and gives space to buildings, tending to cause ecological and ecosystemic losses. In 1985, 2002 and 2019, using data from remote sensing platforms, it was possible, through QGIS software, to characterize the capital of Goiás in terms of occupation, land use and vegetative quality using the NDVI index. Through the land scape metrics package, applied to the RStudio software, it was possible to obtain the values in the limit years for the landscapemetrics: CA, NP, PD, ED, SHAPE and PLAND. Through the data obtained, it was possible to prove that approximately 40.92% of the municipality's area underwent changes in the 34-year interval, with the greatest transformation being associated with the growth of urban infrastructure and the reduction of pasture, a fact that is proven throughout the study, especially in the urban perimeter region.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Eduarda de Oliveira Silva, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil

Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil

Hugo José Ribeiro, Universidade Federal de Goiás

Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil

Katia Alcione Kopp, Universidade Federal de Goiás

Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil

Referências

ALLEN, R. G.; PEREIRA, L.; RAES, D.; SMITH, M. Crop evapotranspiration: Guidelines for computing crop water requirements. Rome: FAO, 1998. FAO. Irrigation and Drainage Paper, 56.

ALLEN, R.; TASSUMI, M.; TREZZA, R. SEBAL Surface Energy Balance Algorithm for Land – Advanced Training and Users Manual. IdahoImplementation, version 1.0, 2002. DOI: https://doi.org/10.1080/01431161.2019.1579385.

AMMA – Agência Municipal do Meio Ambiente. Parques e Bosques. Disponível em: <https://www.goiania.go.gov.br/shtml/amma/parquesebosques.shtml>. Acesso em: 4 jan. 2021.

AQUINO, C. M. S.; OLIVEIRA, J. G. B. Estudo da dinâmica do índice de vegetação por diferença normalizada (NDVI) no núcleo de São Raimundo Nonato-PI. Revista Espaço e Tempo, v.31, p.157-168, 2012. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2012.74261

BARBALHO, M. G. S, SILVA, S.; DELLA GIUSTINA, C. C. Avaliação temporal do perfil da vegetação da microrregião de Ceres através do uso de métricas de paisagem. Boletim Goiano de Geografia, v. 35, n. 3, 2015. DOI: https://doi.org/10.5216/bgg.v35i3.38837.

BARROS, M. P. Métricas da paisagem como ferramenta de avaliação dos efeitos da urbanização na estrutura da paisagem: o caso de Cuiabá, Brasil. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, v. 7, n. 4, p. 411-432, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v7e42018411-432.

BASTIAANSSEN, W. G. M. Regionalization of surface flux densities and moisture indicators in composite terrain. Ph.D. Thesis, Wageningen Agricultural University. The Netherlands, p. 288.

BAYMA, A. P.; SANO, E. E. Séries temporais de índices de vegetação (NDVI e EVI) do sensor MODIS para detecção de desmatamentos no bioma Cerrado. Boletim de Ciências Geodésicas, v. 21, n. 4, p. 797-813, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/S1982-21702015000400047.

BOAVENTURA, D. M. R. Urbanização em Goiás no século XVIII. 2007. Tese (Doutorado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. DOI: 10.11606/T.16.2007.tde-13052010-090028. Acesso em: 6 jan. 2021.

CALEGARI, L.; MARTINS, S. V.; GLERIANI, J. M.; SILVA E.; BUSUATO L. C. Análise da dinâmica de fragmentos florestais no município de Carandaí, MG, para fins de restauração florestal. Revista Árvore, v.34, n.5, p.871-880, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-67622010000500012.

CIDADE BRASIL. Goiânia - Informações sobres o município e a prefeitura. Cidade-brasil.com.br. Disponível em: <https://www.cidade-brasil.com.br/municipio-goiania.html>. Acesso em: 30 mar. 2021.

COUTO, P. Análise factorial aplicada a métricas da paisagem definidas em FRAGSTATS. Inv. Op., Lisboa, v. 24, n. 1, p. 109-137, jun. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0874-51612004000100007&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 21 abr. 2021.

DEÁK, C. À busca das categorias da produção do espaço- Cap. 5: Localização e espaço: valor de uso e valor. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2001. Disponível em: <https://www.fau.usp.br/docentes/depprojeto/c_deak/CD/3publ/01LD-categ/MC-categ-esp.pdf>. Acesso em: 4 jan. 2021.

DELGADO, R. C.; SEDIYAMA, G. C. COSTA, M. H.; SOARES, V. P.; ANDRADE, R. G. Classificação espectral de área plantada com a cultura da cana-de-açúcar por meio da árvore de decisão. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v. 32, n. 2, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-69162012000200017.

DIAS-FILHO, M.B. Diagnóstico das pastagens no Brasil. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2014. 36p. Embrapa Amazônia Oriental. Documentos, 402.

EOS – EARTH OBSERVING SYSTEM. NDVI FAQ: All you need to know about NDVI. Artigo de 30 ago. 2019. Disponível em: <https://eos.com/blog/ndvi-faq-all-you-need-to-know-about-ndvi/>. Acesso em: 13 mai. 2021.

GOIÂNIA. Agência Municipal de Meio Ambiente. Plano diretor de arborização urbana de Goiânia. Goiânia, 2008. 134 p.

GONÇALVES, V.; RIBEIRO, E. Obtenção de série histórica da evolução da classe Floresta Plantada a partir dos dados de uso e cobertura do solo da Coleção 5 do projeto MapBiomas. Metodologias e Aprendizado, v. 4, p. 99-105, 2021.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. R. PR – 1/2005, Resolução do Presidente do IBGE N° 1/2005 - Altera a caracterização do Sistema Geodésico Brasileiro. Disponível em: <http://geoftp.ibge.gov.br/metodos_e_outros_documentos_de_referencia/normas/nota_tecnica_termino_periodo_transicao_sirgas2000.pdf>. Acesso em: 21 de out. 2022.

LOURENÇO, R. W.; LANDIM, P. M. B. Estudo da variabilidade do "índice de vegetação por diferença normalizada/NDVI" utilizando krigagem indicativa. Holos environment, v. 4, n. 1, p. 38-55, 2004. https://doi.org/10.14295/holos.v4i1.398.

LISSNER, J. B.; GUASSELLI, L. A. Variação do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada na lagoa Itapeva, litoral norte do Rio Grande do Sul, Brasil, a partir de análise de séries temporais. Sociedade & Natureza. UFU. Online, v. 25, p. 427-440, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/sn/v25n2/a16v25n2.pdf>. DOI: https://doi.org/10.1590/S1982-45132013000200016. Acesso em: 16 abr. 2021.

MapBiomas Brasil | O projeto. Mapbiomas.org. Disponível em: <https://mapbiomas.org/o-projeto>. Acesso em: 12 jan. 2021.

MapBiomas Brasi. Estatística de Acurácia. Mapbiomas.org. Disponível em: <https://mapbiomas.org/accuracy-statistics>. Acesso em: 22 out. 2022.

MARKHAM, B. L.; BARKER, J. L. Thematic mapper band pass solar exoatmospherical irradiances. International Journal of Remote Sensing, v. 8, n. 3, p. 517-523, 1987. DOI: https://doi.org/10.1080/01431168708948658.

MARTINHO, P. R. R.; HOLLER, W. A.; SANTOS, B. D. O.; SPADOTTO, C. A.; TRAJANO, S. D. S.; DALTIO, J.; FOIS, N. S. Metodologia de monitoramento de cobertura vegetal: estudo de caso: Município de Goiânia, GO. Campinas: Embrapa, 2012.

MARTINS, M. A. N.; SILVA, M. A. A construção da barragem João Leite e os reflexos nas áreas de abrangência do reservatório. IV Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, 2013, Salvador. Anais. IV Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Salvador, 2013

MEA – Millennium Ecosystem Assessment. Ecosystems and human well-being. Washington: Island Press, 2005. Disponível em: http://www.millenniumassessment.org/documents/document.356.aspx.pdf. Acesso em: 04 jan. 2021.

MOREIRA, J. F. R.; SILVA, C. A. Paisagem urbana e áreas verdes: contexto dos parques urbanos de Goiânia. Boletim Goiano de Geografia, p. 239-254, 2012. DOI: https://doi.org/10.5216/bgg.v32i2.21090.

NUNES, F. G.; DE SOUZA, J. R. B.; SANTOS, A. M. Análise da configuração espacial das áreas verdes urbanas e dos corredores ecológicos no município de Goiânia - GO. Revista GeoNordeste, n. 1, p. 168-187, 2020. DOI: https://doi.org/10.33360/RGN.2318-2695.2020.i1.p.168-187.

OLIVEIRA, E. S. Estudo preliminar sobre a evolução do uso e ocupação do solo no município de Planaltina de Goiás. Revista Geotemas, Pau dos Ferros, v. 3, n. 1, p. 111-123, jan./jun. 2013. Disponível em: <http://periodicos.uern.br/index.php/geotemas/article/view/483/362>. DOI: https://doi.org/10.33237/geotemas.v3i1.483. Acesso em: 26 jun. 2021.

PRADO, R. B.; FERREIRA, C. E. G.; BENITES, V. M.; NAUMOV, A. Mapeamento e descrição do padrão de uso e cobertura da terra em municípios do Sudoeste Goiano a partir de imagens orbitais TM/Landsat-5. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, Rio de Janeiro, n. 148, 2009. 44 p. Disponível em: <http://www.cnps.embrapa.br/publicacoes/pdfs/bpd148_2009_mapeamento_sudoeste_goiano.pdf>. Acesso em: 18 abr. 2021.

POLLO, R. A. Diagnóstico do uso do solo na bacia hidrográfica do Ribeirão Paraíso no município de São Manuel (SP), por meio de geotecnologias. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, 2013.

Redação O Hoje. Goiânia é a cidade mais arborizada do Brasil. Ohoje.com, 2019. Disponível em: <http://ohoje.com/noticia/cidades/n/164752/t/goiania-e-a-cidade-mais-arborizada-do-brasil>. Acesso em: 4 Jan. 2021.

RIBEIRO, R. C.; DE OLIVEIRA, F. G.; DOS ANJOS, C. S. Análise da resposta espectral da vegetação nativa do bioma do cerrado nas diferentes estações do ano. Anais do XIX simpósio brasileiro de sensoriamento remoto, 2019, Santos. Anais eletrônicos. São José dos Campos, INPE, 2019. Disponível em: <https://proceedings.science/sbsr-2019/papers/analise-da-resposta-espectral-da-vegetacao-nativa-do-bioma-do-cerrado-nas-diferentes-estacoes-do-ano> Acesso em: 16 abr. 2021.

ROCHA, J. G. Modelagem de conhecimento e métricas de paisagem para identificar e analisar padrões espaciais em ambiente de caatinga. 2011. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Geodésicas e Tecnologia da Geoinformação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.

ROUSE, J. W.; HAAS, R. H.; SCHELL, J. A.; DEERING, D. W. Monitoring vegetation systems in the great plains with ERTS. EARTH RESOURCES TECHNOLOGY SATELLITE-1 SYMPOSIUM, 3., 1973, Washington. Proceedings. Washington: NASA, 1973. v.1, p.309-317.

SEBUSIANI, H. R. V.; BETTINE, S. C. Metodologia de análise do uso e ocupação do solo em micro bacia urbana. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, [S.l.], v. 7, n. 1, fev. 2011. ISSN 1809-239X. Disponível em: <https://rbgdr.net/revista/index.php/rbgdr/article/view/366>. Acesso em: 04 jan. 2021.

Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável – Estado de Goiás (SEMAD-GO). Unidades de Conservação. SEMAD, 2018. Disponível em: <https://www.meioambiente.go.gov.br/acesso-a-informacao/118-meio-ambiente/unidades-de-conserva%C3%A7%C3%A3o/1328-parques-e-unidades-deconserva%C3%A7%C3%A3o.html>. Acesso em: 4 Jan. 2021.

SENA-SOUZA, J. P.; CRESPO, T. V.; SOARES, G. C. S. Influência do relevo na dinâmica temporal do uso e cobertura da terra no norte de Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 15, n. 05, p. 2475-2485, 2022. DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v15.5.p2475-2485.

SIQUEIRA, M. P.; FERREIRA, A. A.; BRITO, G. H. M.; BRANQUINHO, R. G. Avaliação Multitemporal do Uso e Cobertura do Solo no Munícipio De Anápolis-GO. Ipê AgronomicJournal, v. 3, n. 2, p. 4-15, 2019. DOI: https://doi.org/10.37951/2595-6906.2019v3i2.5444.

USGS - United States Geological Survey. Landsat 8 (L8) Operational Land Imager (OLI) and Thermal Infrared Sensor (TIRS) Calibration Notices. Landsat Missions, 2013. Disponível em: http://landsat.usgs.gov/calibration_notices.php. Acesso em: 28 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2022-12-22 — Atualizado em 2022-12-27

Versões

Como Citar

DE OLIVEIRA SILVA, M. E.; RIBEIRO, H. J.; ALCIONE KOPP, K. ELABORAÇÃO DOS PERFIS DAS ÁREAS VERDES DE GOIÂNIA: ANÁLISE DO USO DO SOLO E SÍNTESE DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS ÁREAS. REEC - Revista Eletrônica de Engenharia Civil, Goiânia, v. 18, n. 2, p. 13–28, 2022. DOI: 10.5216/reec.v18i2.71347. Disponível em: https://revistas.ufg.br/reec/article/view/71347. Acesso em: 23 maio. 2024.