VONTADE E VERDADE EM FOUCAULT

Autores

  • Carolina de Souza Noto Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v15i2.9084

Palavras-chave:

discurso, subjetividade, verdade, vontade.

Resumo

Para Foucault, toda produção discursiva implica, no nível da subjetividade, certa vontade de conhecer as verdades do discurso. Compreender o discurso de Foucault como uma experiência que correlaciona aquilo que é dito como verdade e a subjetividade ligada a este dizer reforça e esclarece o conteúdo do que foi dito pelo filósofo acerca do discurso e da subjetividade. No presente trabalho apontaremos para o tipo de discurso produzido pelo próprio filósofo e para a forma da vontade que lhe é subjacente. Nossa hipótese é que a própria produção discursiva de Foucault pode ser uma prova concreta de que aquilo que somos e aquilo que dizemos não se restringem à ordem da submissão, do apaziguamento, da identidade e da universalidade. Para Foucault, somos sujeitos éticos em perpétua formação e transformação e aquilo que dizemos não nos dá acesso somente a verdades, mas, e principalmente, modifica nosso modo de ser.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina de Souza Noto, Universidade de São Paulo

Doutoranda em Filosofia Contemporânea Francesa, Faculdade de Filosofia, Universidade de São Paulo.

Downloads

Publicado

13-09-2010

Como Citar

NOTO, C. de S. VONTADE E VERDADE EM FOUCAULT. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 15, n. 2, p. 11–27, 2010. DOI: 10.5216/phi.v15i2.9084. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/9084. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais