O CORPO EM PERSPECTIVA – REFLEXÕES FENOMENOLÓGICAS SOBRE OS PRIMEIROS ESCRITOS DE MERLEAU-PONTY

Autores

  • Ronaldo Filho Manzi Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v14i1.7753

Palavras-chave:

percepção, Gestalt, mundo vivido, corpo.

Resumo

Neste artigo, pretendo mostrar como Merleau-Ponty parte da fenomenologia husserliana sem com isso se restringir às suas linhas. Isso se deve, em larga medida, a uma incorporação dos trabalhos gestaltistas contemporâneo ao filósofo além de uma análise original do trabalho de Husserl via uma tradição que pretende pensar o concreto. Começaremos traçando a definição merleau-pontyana da fenomenologia e com isso, a necessidade do filósofo de resgatar um “mundo vivido” para depois entrarmos na discussão com os gestaltistas. Com isso em mãos, podemos vislumbrar como sua leitura de Husserl é rearticulada, levando-o a pensar num sujeito da percepção em termos corporais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronaldo Filho Manzi, Universidade de São Paulo

Possui graduação em filosofia pela Universidade Católica de Goiás e mestrado em filosofia pela Universidade de São Paulo. Atualmente é doutorando em Filosofia nesta universidade e aluno do curso de formação em Psicanálise no Centro de Estudos Psicanalíticos. Co-organizou os livros A filosofia após Freud (Humanitas) e Paisagens da Fenomenologia francesa: vida, percepção e ontologia (no prelo). Publicou artigos em periódicos especializados, além de diversas traduções de artigos e revisões de livros. Atua principalmente nas áreas da Fenomenologia francesa e da Epistemologia da Psicanálise. Participa do grupo de pesquisa do Laboratório de Estudos em Teoria Social, Filosofia e Psicanálise. Bolsista CNPq.

Downloads

Publicado

15-04-2010

Como Citar

MANZI, R. F. O CORPO EM PERSPECTIVA – REFLEXÕES FENOMENOLÓGICAS SOBRE OS PRIMEIROS ESCRITOS DE MERLEAU-PONTY. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 109–140, 2010. DOI: 10.5216/phi.v14i1.7753. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/7753. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais