Para além do literal:

a arte como ampliação do humano em Susanne Langer

Autores

  • Clovis Salgado Gontijo Oliveira Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE), Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, clovisalgon@gmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v25i2.64728

Resumo

Este artigo visa a examinar a estreita relação entre a antropologia filosófica e a filosofia da arte em Susanne Langer. Uma vez que tais âmbitos se sustentam, no pensamento langeriano, sobre uma preocupação epistemológica e semântica, refletiremos inicialmente qual seria a resposta da filósofa à pergunta kantiana “O que posso conhecer?”, vinculada a nossas possibilidades de articulação de significados (meanings). Na sequência, abordaremos a distinção entre nossos dois dispositivos básicos para gerar e manejar significados: os signos e os símbolos, classificados, por sua vez, em símbolos discursivos e apresentativos. Por fim, investigaremos a especificidade das obras de arte como símbolos apresentativos, de modo a explicitar conceitos como sentimento, expressão, autoexpressão, abstração e inefabilidade, que, fundamentais à estética langeriana, repercutem na questão dos limites da expressividade e do conhecimento humanos. Ao longo desse percurso, verificaremos como Langer nos permite estender e aprofundar nossa autocompreensão a partir do reconhecimento (teórico e vivencial) do artístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-08-12

Como Citar

SALGADO GONTIJO OLIVEIRA, C. Para além do literal:: a arte como ampliação do humano em Susanne Langer. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 25, n. 2, 2021. DOI: 10.5216/phi.v25i2.64728. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/64728. Acesso em: 3 out. 2022.