Artes da Existência e as Vidas Infames

Autores

  • Regiane Lorenzetti Collares Universidade Federal do Cariri (UFCA), Juazeiro do Norte, Ceará, Brasil, regiane.collares@ufca.edu.br
  • Luis Celestino de França Júnior Universidade Federal do Cariri (UFCA), Juazeiro do Norte, Ceará, Brasil, luis.celestino@ufca.edu.br

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v25i2.64585

Resumo

Este artigo objetiva a partir das considerações de Michel Foucault sobre a dimensão de uma estética da existência relacioná-la às vidas infames, em dois planos que parecem se vincular, a saber, primeiro, de dar destaque às vidas obscurecidas que apenas foram iluminadas quando colocadas como alvos de discursos empreendidos com a finalidade de classificação, controle e exclusão; segundo, da possibilidade de experiências transformadoras no que diz respeito às subjetividades marginalizadas. Examinaremos então em que medida a pesquisa foucaultiana portaria a virtualidade de um deslocamento a um só tempo estético e ético, da modificação de um modo de vida, de um estilo de existência. Uma vez reconhecendo a dimensão estética em Foucault vinculada à arte de existir, pretendemos então tecer um texto que também se componha com as considerações do filósofo da estética Étienne Souriau, apresentadas no livro As Existências Mínimas, por David Lapoujade, no sentido de que os dois pensadores franceses parecem confluir na mesma direção no que liga a arte às transformações de si, isto é, ambos elaboram uma compreensão da estética interseccionada aos modos de existência, buscando tematizar de que modo as vidas que mesmo privadas do direito de existir, podem ainda encontrar espaços de criação e transformação.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

12-08-2021

Como Citar

Lorenzetti Collares, R., & Celestino de França Júnior, L. (2021). Artes da Existência e as Vidas Infames. Philósophos - Revista De Filosofia, 25(2). https://doi.org/10.5216/phi.v25i2.64585