Democracia e ontologia política em Maquiavel, segundo Negri: limites da potência constituinte

Resumo

o artigo tem por objetivo aprofundar uma abordagem da noção de soberania, segundo análise de obras de Maquiavel estabelecida por Antonio Negri (2002). O autor defende que a soberania para Maquiavel corresponde à sobredeterminação da ação do governante -seja no principado, seja na república- em face das limitações e oposições impostas pelos adversários e pela própria fortuna. Buscamos, assim, entender as características dessa acepção de soberania uma vez que o conceito é definido com exatidão por Jean Bodin, quase meio século após a publicação dos textos maquiavelismos. Para observar essa abordagem, digamos, heterodoxa, da soberania será preciso nos concentraremos na sua tese da relação entre ontologia política e movimento. Para Negri, o movimento é o princípio definidor da política e na obra de Maquiavel se encontra uma concepção de ontologia política produzida e pensada da própria ação do governante no tempo e da qual o movimento é constitutivo e indiscernível. Observaremos como se desenvolve a análise do conflito no caso de cidades como Roma e Florença. Como conclusão pretendemos observar que limites a interpretação das Istorie Fiorentine apresenta à tese negriana da soberania democrática em Maquiavel.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Douglas Ferreira Barros, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Faculdade de Filosofia, Campinas, São Paulo, Brasil, douglasfbarros@gmail.com
Publicado
07-01-2019
Como Citar
Ferreira Barros, D. (2019). Democracia e ontologia política em Maquiavel, segundo Negri: limites da potência constituinte. Philósophos - Revista De Filosofia, 23(2). https://doi.org/10.5216/phi.v23i2.52711
Seção
Dossiê de Artigos Originais