A secularização e a religião como essenciais ao homem

Autores

  • Genildo Ferreira da Silva Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de Filosofia, Salvador, Bahia, Brasil, genildof@hotmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v23i1.49558

Palavras-chave:

Secularização, J.-J. Rousseau, Iluminismo, Contrato social

Resumo

Discutir o tema secularização significa obrigatoriamente tratar do comportamento humano em seu relacionamento social. Nos últimos três séculos, tal acepção remete ao ideal da modernidade de conceber uma sociedade com o direito de organizar a vida civil tendo como recurso apenas a razão livre da tutela da autoridade religiosa. Rousseau, tendo apresentado no Contrato social elementos como a defesa da Soberania e da Vontade Geral, não deixa de causar estranheza que no fim da obra apresente uma proposta de Religião civil. É difícil entender que nos primeiros livros do Contrato surjam proposições que sugerem ser o Estado um corpo político autônomo que apresenta a lei estatuída pelo próprio povo como a expressão das condições da associação civil e, surpreendentemente, depois de todo esse fundamento da autonomia, conclua sua obra com o recurso à religião civil, deixando entender ser a religião um elemento fundamental à sociedade. Certamente, Rousseau representa um marco na difusão e compreensão do tema secularização, mas é preciso entender o fato deste ter certo apreço pela religião enquanto outros racionalistas queriam apenas livrar-se dela ou tinham ideias apenas deístas, filosóficas, abstratas, enquanto as suas concediam mais ao sentimento, e também à religião.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Genildo Ferreira da Silva, Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de Filosofia, Salvador, Bahia, Brasil, genildof@hotmail.com

Downloads

Publicado

07-08-2018

Como Citar

FERREIRA DA SILVA, G. A secularização e a religião como essenciais ao homem. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 23, n. 1, p. 75–103, 2018. DOI: 10.5216/phi.v23i1.49558. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/49558. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais