HISTORICIDADE, MUDANÇAS RELACIONAIS E NÃO FIXIDEZ DO PASSADO EXISTENCIAL

Autores

  • Róbson Ramos dos Reis Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v22i2.45852

Palavras-chave:

Heidegger, historicidade, movimento, mudanças relacionais, propriedades emergentes.

Resumo

No presente artigo, apresento uma interpretação da mobilidade histórica da existência segundo a analítica existencial de Ser e tempo de Martin Heidegger. A interpretação é elaborada com uma construção conceitual que tem por base as noções de mudança relacional e emergência de determinações. Seguindo um análogo do critério de David Weberman para identificar mudanças relacionais genuínas, examinarei a mobilidade específica da historicidade existencial, procurando ressaltar o compromisso da noção existencial de movimento com uma concepção modal de mudança relacional na existência. Tal concepção também implica a ideia da plasticidade ou não fixidez do passado existencial. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Róbson Ramos dos Reis, Universidade Federal de Santa Maria

Prof. titular no Departamento de Filosofia. Especialização: fenomenologia, hermenêutica, metafísica, Heidegger.

Downloads

Publicado

09-02-2018

Como Citar

RAMOS DOS REIS, R. HISTORICIDADE, MUDANÇAS RELACIONAIS E NÃO FIXIDEZ DO PASSADO EXISTENCIAL. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 22, n. 2, p. 249, 2018. DOI: 10.5216/phi.v22i2.45852. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/45852. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais