DA FUNDAÇÃO MÍTICA AO EXERCÍCIO DA SOBERANIA POPULAR: COMO UNIR VONTADE E ENTENDIMENTO?

Autores

  • Renato Moscateli Faculdade de Filosofia - Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v22i1.40283

Palavras-chave:

Rousseau, Legislador, religião, soberania.

Resumo

Os “mitos fundadores” políticos são um tema recorrente em diversos pensadores, desde Platão até Rousseau, passando por Maquiavel e Hobbes. No Contrato Social, o autor trata disto no capítulo sobre o Legislador, mostrando que quando Moisés, Numa ou Maomé concederam leis a seus povos, eles não os convocaram para deliberar racionalmente sobre a adequação de suas propostas ao bem público, pois era impossível para essas nações incipientes fazer reflexões dessa espécie, já que elas careciam do entendimento e do espírito social que lhes permitiriam discernir o valor dessa legislação. Logo, restava ao Legislador persuadir o povo sem convencê-lo, invocando o único argumento válido para os seus ouvidos: a autoridade divina. Tais ideias levantam um problema crucial acerca de outros aspectos do pensamento de Rousseau. Para o filósofo, as leis elaboradas pelo Legislador somente têm validade quando aprovadas pela vontade do povo soberano. Porém, é possível perguntar, como faz Hilail Gildin: “Pode uma sociedade baseada em um código que as pessoas foram enganadas para aceitar porque acreditavam que ele expressasse a vontade divina, e que um povo não ousaria modificar por essa mesma razão, ser uma sociedade na qual o povo vê a si mesmo como única fonte legítima da lei?”

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-07-31

Como Citar

MOSCATELI, R. DA FUNDAÇÃO MÍTICA AO EXERCÍCIO DA SOBERANIA POPULAR: COMO UNIR VONTADE E ENTENDIMENTO?. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 22, n. 1, p. 163–192, 2017. DOI: 10.5216/phi.v22i1.40283. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/40283. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais