SOB O SIGNO DA REPÚBLICA: NOTAS SOBRE O ESTATUTO DO SISTEMA DE CONSELHOS NO PENSAMENTO DE HANNAH ARENDT

Autores

  • Carmelita Felício UCG

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v11i1.3704

Palavras-chave:

liberdade pública, ação política, estado-conselho, república.

Resumo

uma das possibilidades de interpretação do apreço de Arendt pela
res publica faz-nos pensar em uma forma de governo que, potencialmente, seja capaz de estimular os cidadãos ao exercício da liberdade pública. Essa forma de governo, baseada no sistema de conselhos, constitui, segundo Arendt, a “verdadeira” república, que, embora tenha surgido no bojo de um dos ramos da tradição revolucionária, foi destruída pela burocracia do estado e pelas máquinas dos partidos. Trata-se de evocar aqui o potencial ainda pouco conhecido do princípio de organização desses espaços de liberdade, que brotam da própria experiência da ação política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carmelita Felício, UCG

Possui Mestrado em Filosofia pela Universidade Federal de Goiás (2000). Atualmente é professora Adjunto I do Departamento de Filosofia e Teologia da Universidade Católica de Goiás. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Filosofia Política, pesquisando principalmente os seguintes temas: cidadania, direitos humanos, política, democracia e república.

Downloads

Publicado

05-04-2008

Como Citar

FELÍCIO, C. SOB O SIGNO DA REPÚBLICA: NOTAS SOBRE O ESTATUTO DO SISTEMA DE CONSELHOS NO PENSAMENTO DE HANNAH ARENDT. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 11, n. 1, p. 31–48, 2008. DOI: 10.5216/phi.v11i1.3704. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/3704. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais