CONTEMPLAÇÃO DAS FORMAS E OS LIMITES DO CONHECIMENTO NO <em>FÉDON</em> E NO <em>BANQUETE</em>

Autores

  • Eliane Christina Souza Ufscar

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v19i2.31970

Palavras-chave:

conhecimento, formas, dialética, orfismo.

Resumo

O Fédon e o Banquete são diálogos nos quais a concepção platônica de filosofia não está dissociada de elementos órficos e de construções míticas. Eu proponho que os temas da pré-existência da alma da imortalidade da alma no Fédon e os mitos contados por Aristófanes e por Diotima no Banquete, examinados em conjunto, fornecem um rico material para a compreensão da natureza e dos limites do conhecimento e da filosofia em Platão. Sugiro ainda, frente a essa interpretação, uma leitura da "súbita visão do belo em si", em Banquete 210e, que leve em conta esses limites. Conhecimento será, a partir dessa leitura, uma busca dinâmica, muito mais do que intuição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliane Christina Souza, Ufscar

Doutora em Filosofia pela Universidade de São Paulo, professora adjunta da Universidade Federal de São Carlos.

Downloads

Publicado

12-01-2015

Como Citar

SOUZA, E. C. CONTEMPLAÇÃO DAS FORMAS E OS LIMITES DO CONHECIMENTO NO <em>FÉDON</em> E NO <em>BANQUETE</em>. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 19, n. 2, p. 47–67, 2015. DOI: 10.5216/phi.v19i2.31970. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/31970. Acesso em: 30 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê de Artigos Originais