O GEMÜT E AS DOENÇAS DA CABEÇA: O LADO OBSCURO DA ANTROPOLOGIA

Autores

  • Jorge Conceição Doutorando em Filosofia pela PUCPR Bolsista CAPES\PROSUP

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v19i1.30278

Palavras-chave:

doenças da cabeça, ânimo, receptividade, sensitividade, suscetibilidade.

Resumo

Este artigo objetiva reconstruir a ideia de uma natureza humana em Kant através do funcionamento das faculdades cognitivas. Para realizar tal tarefa, problematizaremos a sensibilidade do ponto de vista das doenças da cabeça, estas nos permite compreender o funcionamento da natureza humana a partir das faculdades cognitivas. Investigar a natureza humana, através das faculdades cognitivas, significa que a interrogaremos sobre a perspectiva de quais são as condições materiais que tornam possíveis a exequibilidade de proposições sintéticas a priori.  As vantagens desta abordagem são as seguintes: i) permite entender como o substrato material altera as operações judicativas e como estas o delimitam; ii) autoriza classificar diferentes níveis de operações da sensibilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

08-09-2014

Como Citar

CONCEIÇÃO, J. O GEMÜT E AS DOENÇAS DA CABEÇA: O LADO OBSCURO DA ANTROPOLOGIA. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 19, n. 1, p. 63–96, 2014. DOI: 10.5216/phi.v19i1.30278. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/30278. Acesso em: 20 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais