PARA QUE PRECISAMOS DO CONTEÚDO DISJUNTIVO?

Autores

  • Ernesto Perini-Santos PUC-SP

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v10i2.2825

Resumo

A idéia que existe um conteúdo comum à percepção e à mera aparência da percepção parece natural: ter uma ilusão não é outra coisa senão ter uma experiência que é subjetivamente indistingüível da percepção, e isto pode ser explicado pela identificação do conteúdo comum aos dois casos. Contra a postulação de um estado mental comum à percepção e à ilusão, alguns autores como P. Snowdon e J. McDowell propuseram uma teoria disjuntiva do conteúdo sensorial. Se um sujeito tem a impressão de perceber algo, ou bem ele percebe de fato, ou é para ele como se ele percebesse. Se esta teoria evita um estado mental “disponível para a experiência nos casos em que há engano e naqueles em que não há engano” (McDowell), o recurso à concepção disjuntiva do conteúdo não é necessário para tanto. Apresento três argumentos contra a teoria disjuntiva da percepção. O primeiro argumento é que não é certo que a teoria disjuntiva possa ser útil na explicação da experiência perceptiva, tanto do ponto de vista da primeira pessoa, quanto do ponto de vista da terceira pessoa. Em seguida, ela não é uma teoria estável do conteúdo perceptivo. Ao considerarmos o desenrolar da experiência no tempo, o interesse de um conteúdo disjuntivo parece bem menos claro, os membros da disjunção vão rapidamente se distinguir. Finalmente, parece-me que a consideração de alguns aspectos da diferença entre a percepção efetiva e pelo menos alguns casos de ilusão perceptiva sugerem um outro caminho para explicar como a percepção nos põe em contato com o mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ernesto Perini-Santos, PUC-SP

Trabalha como Professor Adjunto no departamento de Filsofia da UFMG. Possui doutorado em Filosofia pela Universite de Tours (Universite Francois Rabelais) (2001) . Tem experiência na área de Filosofia , com ênfase em História da Filosofia. Atuando principalmente nos seguintes temas: Guilherme de Ockham, Modalidade, Teoria do conhecimento, Evidencia, proposição.

Downloads

Publicado

27-01-2008

Como Citar

PERINI-SANTOS, E. PARA QUE PRECISAMOS DO CONTEÚDO DISJUNTIVO?. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 10, n. 2, 2008. DOI: 10.5216/phi.v10i2.2825. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/2825. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais