DUAS NOÇÕES DE A PRIORI HISTÓRICO: A TRADIÇÃO E O ARQUIVO – A CONCEPÇÃO DE UMA “ANTI-CRISE” DE MICHEL FOUCAULT

Autores

  • Ronaldo Filho Manzi Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v19i1.27878

Palavras-chave:

a priori histórico, tradição, arquivo, episteme, arqueologia.

Resumo

Este artigo busca mostrar como podemos pensar o a priori histórico sob duas perspectivas diferentes. Por um lado, quando Husserl fala de um a priori histórico, ele se refere à tradição. Ou seja, à possibilidade de o sujeito reativar idealidades e resignificá-las. Por outro, a proposta de Foucault em As palavras e as coisas e em A arqueologia do saber. Neste caso, o a priori histórico é visto a partir de uma arqueologia que vai de encontro com a concepção husserliana. Seguindo Foucault, poderíamos ler sua tese de 1966 enquanto uma "anti-Crise" (Crise da ciência europeia e a fenomenologia transcendental).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronaldo Filho Manzi, Universidade de São Paulo

Graduado em filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás e formado em psicanálise pelo Centro de Estudos Psicanalíticos. Possui mestrado em filosofia pela Universidade de São Paulo. Doutor em filosofia pela Universidade de São Paulo e pela Radboud Universiteit Nijmegen (co-tutela). Co-organizou os livros A filosofia após Freud (Humanitas) e Paisagens da fenomenologia francesa (UFPR). Publicou artigos em periódicos especializados, além de diversas traduções de artigos e revisões de livros. Atua principalmente nas áreas da fenomenologia francesa e da epistemologia da psicanálise. Participa do grupo de pesquisa do Laboratório de estudos em teoria social, filosofia e psicanálise (USP). É membro da International society of psychanalysis and philosophy.


Downloads

Publicado

08-09-2014

Como Citar

MANZI, R. F. DUAS NOÇÕES DE A PRIORI HISTÓRICO: A TRADIÇÃO E O ARQUIVO – A CONCEPÇÃO DE UMA “ANTI-CRISE” DE MICHEL FOUCAULT. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 19, n. 1, p. 191–217, 2014. DOI: 10.5216/phi.v19i1.27878. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/27878. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais