A TRAJETÓRIA DO CONCEITO DE GENEALOGIA EM FOUCAULT (1971-1984)

Autores

  • Luiz Celso Pinho Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v19i1.27029

Palavras-chave:

história, poder, ética, verdade.

Resumo

Neste ensaio se pretende assinalar as diversas modulações pelas quais passa o conceito nietzschiano de genealogia na obra de Michel Foucault ao longo das décadas de 1970 e 1980. Deste modo, será possível mostrar que o procedimento genealógico se modifica em função da temática abordada, isto é, este não parte dos mesmos pressupostos teórico-metodológicos quando tem por meta: a rejeição da noção metafísica de uma origem essencial; a pressuposição recíproca entre o Saber e o Poder; o projeto de transformar a vida humana numa espécie de obra de arte; e, finalmente, elaborar uma ideia de verdade dissociada de parâmetros lógicos, epistemológicos ou ontológicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Celso Pinho, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Bacharel em Psicologia (1989) e Psicólogo (1990) pela UERJ. Bacharel (1994), Mestre (1995) e Doutor (2003) em Filosofia pela UFRJ. Pesquisador Associado da FAPERJ no Departamento de Filosofia da UERJ (2003-2005). Professor Adjunto III do Departamento de Filosofia da UFRuralRJ. Pesquisador APQ-1 da FAPERJ (2009-2011). Tem publicações sobre Michel Foucault e Friedrich Nietzsche.

Downloads

Publicado

08-09-2014

Como Citar

PINHO, L. C. A TRAJETÓRIA DO CONCEITO DE GENEALOGIA EM FOUCAULT (1971-1984). Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 19, n. 1, p. 171–190, 2014. DOI: 10.5216/phi.v19i1.27029. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/27029. Acesso em: 5 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais