NIETZSCHE E O HORIZONTE INTERPRETATIVO DO CREPÚSCULO DOS ÍDOLOS

Autores

  • Jorge Luiz Viesenteiner Pontifícia Universidade Católica do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v17i2.18859

Palavras-chave:

Crepúsculo dos Ídolos, Vontade de Poder, necessidade, gênio

Resumo

O objetivo do artigo é apontar alguns horizontes interpretativos do Crepúsculo dos Ídolos, especialmente seu estatuto filológico em relação ao projeto literário da Vontade de Poder e seu status filosófico no conjunto dos textos de 1888. Dentre outras, a hipótese central que guiará nossa interpretação é a ‘heurística da necessidade’, a pergunta pelos anseios e necessidades que causaram uma determinada produção e, além disso, percorre todo o livro. Por fim, trata-se também de apontar em que medida Nietzsche opera um distanciamento semântico em relação a conceitos previamente elaborados, como p.ex., o ‘gênio’. Essas hipóteses auxiliam a preencher uma lacuna na pesquisa-Nietzsche, de um texto que até agora não recebeu no Brasil sua real significação

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Luiz Viesenteiner, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Doutor em filosofia pela UNICAMP e professor do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da PUCPR. É membro do GIRN (Groupe International de Recherches sur Nietzsche) pela Universidade de Greifswald/Alemanha. Email: jvies@uol.com.br

Downloads

Publicado

27-02-2013

Como Citar

VIESENTEINER, J. L. NIETZSCHE E O HORIZONTE INTERPRETATIVO DO CREPÚSCULO DOS ÍDOLOS. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 17, n. 2, p. 131–157, 2013. DOI: 10.5216/phi.v17i2.18859. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/18859. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais