Métodos de superação de dormência afetam a qualidade fisiológica de sementes de quiabo?

Autores

  • Igor Souza Stochi
  • Martha Freire da Silva
  • Cleverton Timóteo de Assunção
  • Victor Hugo Borsuk Damião

Resumo

Um dos principais entraves na produção de quiabo é a dormência física imposta pelo tegumento das sementes. Embora vários métodos de superação de dormência tegumentar tenham sido propostos, pouco se sabe sobre o efeito destes na qualidade fisiológica de sementes. Assim, objetivou-se verificar a eficácia de métodos de superação de dormência (controle - sem tratamento; pré-embebição - embebição das sementes em água a 30 ºC, por 6 h; termoterapia - imersão em água a 60 ºC, por 3 min; calor seco - estufa a 70 ºC, por 5 min; choque térmico - imersão em água a 30 ºC, por 30 min, seguida de 5 ºC, por 24 h; e escarificação em areia - fricção entre as sementes e a areia por 20 min) e analisar seus impactos na qualidade fisiológica de lotes de sementes de quiabo. Após a aplicação dos tratamentos, foram obtidas imagens do tegumento externo das sementes e aferidos o grau de umidade das sementes, primeira contagem de germinação, germinação, emergência, índice de velocidade de germinação e comprimento de plântula. Os tratamentos de pré-embebição, termoterapia e choque térmico removem camadas de células da região da chalaza, permitindo maior absorção de água, mostrando-se eficientes na superação da dormência, sem afetar a qualidade fisiológica das sementes. Por outro lado, o método do calor seco pode afetar o vigor das sementes de quiabo.

PALAVRAS-CHAVE: Abelmoschus esculentus L., sementes duras, dureza tegumentar, vigor de sementes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

15-08-2023

Como Citar

STOCHI, I. S.; SILVA, M. F. da; ASSUNÇÃO, C. T. de; DAMIÃO, V. H. B. Métodos de superação de dormência afetam a qualidade fisiológica de sementes de quiabo?. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 53, p. e75797, 2023. Disponível em: https://revistas.ufg.br/pat/article/view/75797. Acesso em: 4 dez. 2023.

Edição

Seção

Artigo Científico