Estoques e labilidade de carbono em sistemas de uso e manejo do solo no sudoeste goiano

Autores

  • Diego Oliveira Ribeiro
  • Gabriel Rosa Gonçalves
  • Giovana Oliveira Rubio
  • Gustavo Castoldi
  • Eduardo Pradi Vendruscolo
  • Zaqueu Henrique de Souza

Resumo

O sudoeste do estado de Goiás apresenta elevada vocação para diversas atividades agropecuárias, mesmo em solos considerados mais frágeis, como os Neossolos Quartzarênicos. Objetivou-se avaliar os estoques e a labilidade de carbono em sistemas de uso e manejo de um Neossolo Quartzarênico, no sudoeste goiano. Utilizou-se delineamento inteiramente causualizado, constando de áreas submetidas a cinco sistemas de uso e manejo do solo (Cerrado nativo, pastagem intensiva, pastagem extensiva, plantio de soja com sucessão de milho, e eucalipto). Foram coletadas amostras nas profundidades de 0-0,1 e 0,1-0,2 m. Os sistemas de uso e manejo do solo alteraram os estoques e a qualidade do carbono. Na camada de 0-0,2 m, os estoques de carbono variaram entre 15,9 e 29,2 Mg ha-1. As áreas com eucalipto e sob pastejo intensivo proporcionaram incrementos variando entre 72 e 84 % nos estoques de carbono, em relação às áreas de Cerrado e soja-milho. Os teores de carbono nas frações F1, F2 e F4 foram superiores nas áreas com eucalipto e sob pastejo intensivo. Na camada de 0-0,1 m, as áreas com cultivo de eucalipto e sob pastejo intensivo incrementaram o índice de manejo de carbono em 33 e 36 %, respectivamente, quando comparadas à área de referência com Cerrado nativo.

Palavras-chaves: Matéria orgânica do solo, qualidade de carbono, índice de manejo de carbono.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

24-03-2023

Como Citar

RIBEIRO, D. O.; GONÇALVES , G. R.; RUBIO, G. O.; CASTOLDI, G.; VENDRUSCOLO, E. P.; SOUZA , Z. H. de. Estoques e labilidade de carbono em sistemas de uso e manejo do solo no sudoeste goiano. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 53, p. e74416, 2023. Disponível em: https://revistas.ufg.br/pat/article/view/74416. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigo Científico