Aumento na capacidade de troca de cátions em rochas biotitas ricas em Mg ou Fe pela ação da rizosfera do milho

Autores

  • Luise Lottici Krahl
  • Giuliano Marchi
  • Simone Patrícia Aranha Paz
  • Rômulo Simões Angélica
  • José Carlos Sousa-Silva
  • Leonardo Fonseca Valadares
  • Éder de Souza Martins

Resumo

O intemperismo de alguns minerais silicáticos em rochas moídas pode ocorrer em alguns dias de cultivo e gerar diferentes propriedades físico-químicas, com benefícios potenciais a solos tropicais. Objetivou-se investigar a influência da rizosfera do milho (Zea mays L.) nos produtos do intemperismo e na capacidade de troca de cátions da biotita-Mg da biotita xisto e biotita-Fe da biotita sienito. Um experimento em vasos foi conduzido de forma que plantas e rochas moídas foram avaliadas por sete ciclos de cultivo sucessivos. Os nutrientes ferro e potássio foram adquiridos da biotita xisto e da biotita sienito durante o cultivo. O intemperismo das biotitas promovido pela rizosfera causou mudanças mineralógicas. A mudança mais expressiva nos padrões da difração de raios-X ocorreu na fração com partículas < 53 µm, mas as frações 53-300 µm também mudaram. A alteração na biotita-Mg, que possui menor relação Fe/Mg nos sítios octaedrais que a biotita-Fe, foi responsável pelo maior aumento na capacidade de troca de cátions nas frações < 300 µm. Entretanto, o processo de intemperismo da biotita-Fe, a qual apresenta alta relação Fe/Mg nos sítios octaedrais, não aumentou a capacidade de troca de cátions.

PALAVRAS-CHAVE: Zea mays L., biointemperismo, agrominerais silicáticos, liberação de potássio, rochas moídas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

13-09-2022

Como Citar

KRAHL, L. L. .; MARCHI, G.; PAZ, S. P. A. .; ANGÉLICA, R. S. .; SOUSA-SILVA, J. C.; VALADARES, L. F. .; MARTINS, Éder de S. . Aumento na capacidade de troca de cátions em rochas biotitas ricas em Mg ou Fe pela ação da rizosfera do milho. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 52, p. e72376, 2022. Disponível em: https://revistas.ufg.br/pat/article/view/72376. Acesso em: 30 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigo Científico