Diferenças nos mecanismos de resposta bioquímica, fisiológica e molecular de arroz, arroz daninho e capim-arroz submetidos a seca

Autores

  • Dirceu Agostinetto Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Agronomia, Capão do Leão, RS, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6069-0355
  • Cláudia Oliveira Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Agronomia, Capão do Leão, RS, Brasil.
  • Ana Claudia Langaro Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Agronomia, Capão do Leão, RS, Brasil.
  • Jéssica Dias Gomes da Silva Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Agronomia, Capão do Leão, RS, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6224-4025
  • Geovana Facco Barbieri Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Agronomia, Capão do Leão, RS, Brasil.

Resumo

A tolerância ao estresse hídrico pode diferir entre espécies e cultivares. O efeito da seca nas plantas depende do impacto nos processos fisiológicos, bioquímicos e moleculares da planta e da capacidade de a mesma se adaptar a essas condições. Objetivou-se avaliar as respostas fisiológicas e bioquímicas, bem como determinar a expressão dos genes OsAPX2, OsHSP24.15, OsHSP71.10 e OsHSP85.88 em condições de seca em arroz, arroz daninho e capim-arroz. Foi realizado experimento em casa-de-vegetação, em delineamento inteiramente casualizado, com quatro repetições e dois fatores: condições hídricas (bem irrigado e déficit hídrico) e espécies de plantas [arroz (Oryza sativa cv. Puitá), arroz daninho (Oryza spp.) e capim-arroz (Echinochloa spp.)]. Em condições de seca, as plantas de arroz e arroz daninho apresentaram mais danos celulares do que o capim-arroz, e as três espécies apresentaram taxa fotossintética reduzida. As plantas C3 (arroz e arroz daninho) aumentaram os danos aos lipídios e proteínas aos 5 dias de seca. No entanto, para plantas C4 (capim-arroz), as condições de seca não afetaram os parâmetros bioquímicos. A expressão do gene OsHSP85.88 aumentou nas três plantas expostas ao déficit hídrico.

PALAVRAS-CHAVE: Oryza spp., Echinochloa spp., fotossíntese, dano oxidativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

08-02-2022

Como Citar

AGOSTINETTO, D.; OLIVEIRA, C. .; LANGARO, A. C. .; SILVA, J. D. G. da; BARBIERI, G. F. Diferenças nos mecanismos de resposta bioquímica, fisiológica e molecular de arroz, arroz daninho e capim-arroz submetidos a seca. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 52, p. e70487, 2022. Disponível em: https://revistas.ufg.br/pat/article/view/70487. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

Suplemento Especial: Mudança Climática na Agricultura