Concentração e tempo letal de iscas tóxicas à base de espinosinas sobre Ceratitis capitata e Diachasmimorpha longicaudata

Autores

  • Morgana Mattiello Baldin Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Departamento de Fitossanidade, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, morgana.baldin13@gmail.com https://orcid.org/0000-0003-2780-0457
  • Inana Xavier Schutze Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Departamento de Entomologia, Piracicaba, São Paulo, Brasil, i_schutze@hotmail.com https://orcid.org/0000-0003-2040-8815
  • Cléber Antonio Baronio Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Departamento de Fitossanidade, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, cleber.baronio@hotmail.com https://orcid.org/0000-0002-8155-1925
  • Flávio Roberto Mello Garcia Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Departamento de Fitossanidade, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, flavio.garcia@ufpel.edu.br https://orcid.org/0000-0003-0493-1788
  • Marcos Botton Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Uva e Vinho), Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, Brasil, marcos.botton@embrapa.br https://orcid.org/0000-0002-0554-3157

Palavras-chave:

Tephritidae, Mosca-do-mediterrâneo, Parasitoides de moscas-das-frutas, Proteína hidrolisada

Resumo

O emprego de iscas tóxicas com espinosinas (espinosade e espinetoram), associadas ao parasitoide Diachasmimorpha longicaudata, é uma alternativa para o manejo de Ceratitis capitata. Objetivou-se avaliar a concentração letal (CL) e o tempo letal (TL) de espinosade e espinetoram, associados aos atrativos alimentares melaço de cana-de-açúcar a 7 %, Biofruit a 3 %, Ceratrap® a 1,5 %, Flyral® a 1,25 %, Isca Samaritá® e Samaritá Tradicional® a 3 %, sobre C. capitata, bem como seu efeito, na concentração de 96 mg L-1, sobre D. longicaudata, em laboratório. Para os dados de tempo letal, a mortalidade foi avaliada em 2, 4, 6, 8, 10, 12, 14, 16, 18, 20, 22, 24, 36, 48, 60, 72, 84 e 96 h após a exposição às iscas tóxicas. As menores concentrações letais (CL50 e CL95) corresponderam, para espinetoram (0,5 mg L-1 e 3,7 mg L-1) e espinosade (0,8 mg L-1 e 7,8 mg L-1), à associação com Samaritá Tradicional® a 3 %. O menor tempo letal (TL50), em horas, para o inseticida espinosade, correspondeu à formulação com Biofruit a 3 % (6,6) e, para espinetoram, Samaritá Tradicional® a 3 % (7,9). Para D. longicaudata, as formulações que causaram menor mortalidade corresponderam à associação de Biofruit® a 3 % com espinosade (4,7 %) e Samaritá Tradicional® a 3 % com espinetoram (3,5 %). As iscas tóxicas formuladas com espinosade e espinetoram, associados à Isca Samaritá® a 3 %, provocaram mortalidade superior a 60 %, ao parasitoide D. longicaudata.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Morgana Mattiello Baldin, Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Departamento de Fitossanidade, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, morgana.baldin13@gmail.com

Inana Xavier Schutze, Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Departamento de Entomologia, Piracicaba, São Paulo, Brasil, i_schutze@hotmail.com

Cléber Antonio Baronio, Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Departamento de Fitossanidade, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, cleber.baronio@hotmail.com

Flávio Roberto Mello Garcia, Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Departamento de Fitossanidade, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, flavio.garcia@ufpel.edu.br

Marcos Botton, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Uva e Vinho), Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, Brasil, marcos.botton@embrapa.br

Downloads

Publicado

21-09-2018

Como Citar

MATTIELLO BALDIN, M.; XAVIER SCHUTZE, I.; ANTONIO BARONIO, C.; ROBERTO MELLO GARCIA, F.; BOTTON, M. Concentração e tempo letal de iscas tóxicas à base de espinosinas sobre Ceratitis capitata e Diachasmimorpha longicaudata. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 48, n. 3, p. 323–330, 2018. Disponível em: https://revistas.ufg.br/pat/article/view/52480. Acesso em: 14 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo Científico