Variedades locais de feijoeiro como fontes potenciais de resistência a antracnose

Autores

  • Ana Carolina da Costa Lara Fioreze Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Rurais, Curitibanos, Santa Catarina, Brasil, ana.lara@ufsc.br
  • Sibila Grigolo Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências Agroveterinárias, Departamento de Produção Vegetal, Lages, Santa Catarina, Brasil, sibilagrigolo@gmail.com
  • Claudia Aparecida Guginski Piva Universidade do Oeste de Santa Catarina, Campos Novos, Santa Catarina, Brasil, claudia.piva@unoesc.edu.br
  • Lays Sartori Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Rurais, Curitibanos, Santa Catarina, Brasil, layssartori6@gmail.com

Palavras-chave:

Phaseolus vulgaris L., Colletotrichum lindemunthianum (Sacc. & Magnus), Interação genótipo x safra

Resumo

Dentre as doenças que afetam as lavouras de feijão está a antracnose, causada pelo fungo Colletotrichum lindemuthianum (Sacc. & Magnus), com ocorrência em todo o Brasil, acarretando perdas de até 100 % na produção de grãos. Cerca de 20 genes que conferem resistência a raças específicas do patógeno já foram descritos na literatura. Objetivou-se avaliar as variedades de feijoeiro dos estados de Santa Catarina e Paraná, no que diz respeito à resistência a antracnose, em duas safras. Além disso, duas cultivares comerciais foram utilizadas como controles: IPR Tangará, como suscetível; e BRS Campeiro, como moderadamente resistente. A maioria das variedades locais foi considerada resistente ou moderadamente resistente, sendo mais pronunciada a cultivar Amendoim, com grãos grandes e tegumento vermelho, evidenciando resistência em ambas as avaliações. A este respeito, a possibilidade de utilizá-las como fontes de resistência à antracnose pode ser considerada, pois, também, demonstram adaptabilidade às condições ambientais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina da Costa Lara Fioreze, Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Rurais, Curitibanos, Santa Catarina, Brasil, ana.lara@ufsc.br

Sibila Grigolo, Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências Agroveterinárias, Departamento de Produção Vegetal, Lages, Santa Catarina, Brasil, sibilagrigolo@gmail.com

Claudia Aparecida Guginski Piva, Universidade do Oeste de Santa Catarina, Campos Novos, Santa Catarina, Brasil, claudia.piva@unoesc.edu.br

Lays Sartori, Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Rurais, Curitibanos, Santa Catarina, Brasil, layssartori6@gmail.com

Downloads

Publicado

18-06-2018

Como Citar

CAROLINA DA COSTA LARA FIOREZE, A.; GRIGOLO, S.; APARECIDA GUGINSKI PIVA, C.; SARTORI, L. Variedades locais de feijoeiro como fontes potenciais de resistência a antracnose. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 48, n. 2, p. 126–133, 2018. Disponível em: https://revistas.ufg.br/pat/article/view/51251. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigo Científico