Qualidade fisiológica e sanitária de sementes de soja colhidas em diferentes épocas e submetidas a armazenamento

Autores

  • Alan Mario Zuffo Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul - UEMS.
  • Joacir Mario Zuffo Júnior Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT;
  • Everton Vinicius Zambiazzi Universidade Federal de Lavras - UFLA.
  • Fábio Steiner Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul - UEMS.

Palavras-chave:

Glycine max (L.) Merrill, patógenos, sanidade de sementes.

Resumo

O atraso na colheita pode afetar a qualidade fisiológica de sementes de soja, devido à ocorrência de condições adversas no campo. Objetivou-se avaliar a qualidade fisiológica e sanitária de sementes de soja (cultivar BRS 820 RR®) colhidas em oito épocas (0; 5; 10; 15; 20; 25; 30; e 35 dias após o estádio fenológico R8 - maturação plena) e armazenadas por dois períodos (0 e 8 meses). Foram efetuadas as seguintes avaliações: grau de umidade, taxa de germinação e emergência, índice de velocidade de emergência, fitomassa seca total da planta, envelhecimento acelerado, condutividade elétrica, dano mecânico, vigor e viabilidade (tetrazólio) e qualidade sanitária das sementes. O retardamento na colheita de sementes de soja a partir de 10 dias após R8 prejudica o vigor e a germinação das sementes, além de aumentar a incidência de patógenos. Independentemente da época de colheita, o armazenamento das sementes de soja por oito meses culminou em redução na sua qualidade fisiológica, com incremento na incidência de Phomopsis spp.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

26-09-2017

Como Citar

ZUFFO, A. M.; ZUFFO JÚNIOR, J. M.; ZAMBIAZZI, E. V.; STEINER, F. Qualidade fisiológica e sanitária de sementes de soja colhidas em diferentes épocas e submetidas a armazenamento. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 47, n. 3, p. 312–320, 2017. Disponível em: https://revistas.ufg.br/pat/article/view/47576. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigo Científico