A orquídea ornamental Bletia catenulata é autocompatível, mas dependente de polinizador para reprodução

Autores

  • Vespasiano Borges de Paiva Neto Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Ana Paula Mezoni Correa Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Fábio de Barros Instituto de Botânica
  • Daly Roxana Castro Padilha Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Monica Cristina Rezende Zuffo Borges Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Palavras-chave:

Germinação in vitro, aclimatização, Cerrado.

Resumo

Bletia catenulata é uma orquídea nativa do Brasil, cujas populações têm sofrido coleta predatória. Objetivando conhecer aspectos da biologia reprodutiva e sua relação com a germinação de sementes, diferentes tipos de polinização foram realizados em flores de plantas cultivadas em estufa agrícola. A polinização cruzada e a autopolinização manuais resultaram em altos percentuais de frutificação (76,7-86,7 %), sendo de apenas 26,7 % na polinização natural, na qual a ausência de polinizadores, por isolamento das flores, resultou na ausência de frutos. A germinação in vitro de sementes de todos os frutos resultantes das diferentes polinizações foi baixa, sendo 8,6 % o maior valor percentual de protocormos obtidos. Portanto, B. catenulata é autocompatível, gerando sementes viáveis, mas dependente de polinizador para reprodução sexuada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vespasiano Borges de Paiva Neto, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Engenheiro Agronomo, Mestrado (UFLA) e Doutorado (UFV) em Fisiologia Vegetal. Professor Adjunto II do Departamento de Agronomia da UFMS. Área de Pesquisa: Micropropagação de Plantas  e  Anatomia Vegetal

Downloads

Publicado

28-01-2016

Como Citar

PAIVA NETO, V. B. de; CORREA, A. P. M.; BARROS, F. de; PADILHA, D. R. C.; BORGES, M. C. R. Z. A orquídea ornamental Bletia catenulata é autocompatível, mas dependente de polinizador para reprodução. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 45, n. 4, p. 473–479, 2016. Disponível em: https://revistas.ufg.br/pat/article/view/38410. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigo Científico