Polinização em palma azeiteira Elaeis guineensis, E. oleifera e seus híbridos (OxG), na América Tropical

Autores

  • María Raquel Meléndez Universidad de las Américas
  • William Patricio Ponce

Palavras-chave:

Elaeidobius, Mystrops, polinizadores.

Resumo

A palma azeiteira (Elaeis guineensis) apresenta grande importância paras as economias da América Central e do Sul. Essa planta sofre com o ataque de uma doença fúngica devastadora conhecida como “lethal decay” ou “amarelecimento fatal”, em Português. Países produtores da África, Ásia e América tropical têm desenvolvido programas de melhoramento que buscam tolerância a essa doença pelas plantas. Os híbridos Elaeis guineensis x E. oleifera (OxG) são resistentes, no entanto, apresentam problemas fisiológicos que afetam a produtividade comercial. A polinização natural nesses híbridos é baixa e a manual tem custos de mão de obra muito elevados. A ordem Coleoptera é o polinizador natural mais numeroso e diverso, e o gênero Elaeidobius tem alta eficiência e especificidade para as espécies de palma azeiteira. Elaeidobius kameronicus, Elaeidobius subvittatus e Mystrops costaricensis são os insetos mais comumente associados às inflorescências dessa cultura. A dinâmica em populações desse inseto varia de acordo com as espécies de palma e condições climáticas. Faz-se necessário entender o comportamento desse inseto e a dinâmica de sua população nos híbridos OxG. Por isso, estudos recentes sobre a polinização da palma azeiteira, bem como a diversidade e distribuição do seu polinizador na América Latina, são discutidos neste estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

María Raquel Meléndez, Universidad de las Américas

Facultad de Ingenierías y Ciencias Agropecuarias

Coordinadora de la Carrera de Ingeniería Agroindustrial y Alimentos

Downloads

Publicado

27-04-2016

Como Citar

MELÉNDEZ, M. R.; PONCE, W. P. Polinização em palma azeiteira Elaeis guineensis, E. oleifera e seus híbridos (OxG), na América Tropical. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 46, n. 1, p. 102–110, 2016. Disponível em: https://revistas.ufg.br/pat/article/view/38196. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Revisão