Bioindicador demonstra alta persistência de sulfrentrazone em solo seco

Autores

  • Renato Coradello Lourenço Instituto Federal do Sul de Minas Gerais, Câmpus Machado
  • Saul Jorge Pinto de Carvalho Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais, Câmpus Machado.

Palavras-chave:

Saccharum spp., Guizotia abyssinica Cass., degradação microbiana.

Resumo

Na cultura da cana-de-açúcar, com frequência, tem-se a necessidade da aplicação de herbicidas pré-emergentes com longo efeito residual no solo. A persistência do herbicida no solo deve ser alta, principalmente devido a aplicações no período seco do ano, após a colheita da cultura. Objetivou-se estimar a persistência e dissipação do sulfentrazone em solo seco, utilizando-se bioindicador. Foram realizados cinco experimentos, divididos em duas fases. Na primeira fase, três curvas de dose-resposta foram elaboradas para selecionar o melhor bioindicador a ser adotado na segunda fase. O niger foi selecionado devido à sua menor sensibilidade à molécula. Na segunda fase, realizou-se nova curva de dose-resposta com seis doses de sulfentrazone, padronizando a relação de sensibilidade do bioindicador à presença de sulfentrazone. Ao final, realizou-se um experimento com seis períodos de persistência de sulfentrazone, em solo argiloso seco. Os períodos de persistência foram: 182, 154, 125, 98 e 30 dias. O bioindicador foi semeado no dia da aplicação, em parcelas tratadas e controle. Neste experimento, a dose de sulfentrazone foi fixada em 800 g ha-1. O niger foi considerado como espécie adequada para estimar a persistência do sulfentrazone em solo seco. A atividade fitotóxica do sulfentrazone foi identificada até 182 dias após a aplicação e sua taxa média de dissipação foi de 2,15 g ha-1 dia-1, com meia vida superior a 182 dias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Coradello Lourenço, Instituto Federal do Sul de Minas Gerais, Câmpus Machado

Graduando em Engenharia Agronômica - IFSULDEMINAS - Câmpus Machado.

Saul Jorge Pinto de Carvalho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais, Câmpus Machado.

Engenheiro Agrônomo e Licenciado em Ciências Agrárias

Mestre e Doutor em Fitotecnia / Produção Vegetal

Especialidade:  Biologia e Manejo de Plantas Daninhas

Downloads

Publicado

22-09-2015

Como Citar

LOURENÇO, R. C.; CARVALHO, S. J. P. de. Bioindicador demonstra alta persistência de sulfrentrazone em solo seco. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 45, n. 3, p. 326–332, 2015. Disponível em: https://revistas.ufg.br/pat/article/view/35776. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Proteção de Plantas