Efeito da temperatura sobre o crescimento e esporulação in vitro de fungos hiperparasitas de Asperisporium caricae

Autores

  • Janieli Maganha Silva Vivas Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias, Laboratório de Entomologia e Fitopatologia, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasil.
  • Marcelo Vivas Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias, Laboratório de Entomologia e Fitopatologia, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasil.
  • Silvaldo Felipe da Silveira Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias, Laboratório de Entomologia e Fitopatologia, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasil.

Palavras-chave:

Carica papaya L., Acremonium spp., Hansfordia pulvinata.

Resumo

A pinta-preta é a principal doença fúngica foliar do mamoeiro, sendo o controle químico necessário para se conseguir produção comercial econômica. Medidas de controle alternativas aos fungicidas são necessárias para a produção sustentável de frutos de mamão de melhor qualidade. Objetivou-se, neste trabalho, determinar as condições de temperatura adequadas ao crescimento micelial e à esporulação in vitro de fungos hiperparasitas do agente causal da pinta-preta do mamoeiro, potenciais agentes de biocontrole. Foram avaliados 18 isolados fúngicos (oito de Hansfordia pulvinata e dez de Acremonium spp.), cultivados em meio BDA, às temperaturas de 15 ºC, 20 ºC, 23 ºC, 25 ºC, 27 ºC e 30 ºC, sob fotoperíodo de 12 horas. Observou-se, para isolados de H. pulvinata, que temperaturas amenas (em torno de 21 ºC) propiciam máximas de crescimento micelial e esporulação. Para os isolados de Acremonium spp., o ponto ótimo para crescimento micelial e esporulação ocorre no intervalo de 20-25 ºC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

13-03-2015

Como Citar

VIVAS, J. M. S.; VIVAS, M.; SILVEIRA, S. F. da. Efeito da temperatura sobre o crescimento e esporulação in vitro de fungos hiperparasitas de Asperisporium caricae. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 45, n. 1, p. 73–81, 2015. Disponível em: https://revistas.ufg.br/pat/article/view/29774. Acesso em: 30 maio. 2024.

Edição

Seção

Proteção de Plantas