Capacidade antioxidante da própolis

Autores

  • Adriane Alexandre Machado De-Melo Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental, Laboratório de Análise de Alimentos, São Paulo, SP, Brasil.
  • Adriana Hitomi Matsuda Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental, Laboratório de Análise de Alimentos, São Paulo, SP, Brasil.
  • Alex da Silva de Freitas Universidade Federal Fluminense (UFF), Laboratório de Geologia Marinha, Niterói, RJ, Brasil.
  • Ortrud Monika Barth Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Instituto de Biologia, Departamento de Botânica, Laboratório de Palinologia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
  • Ligia Bicudo de Almeida-Muradian Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental, Laboratório de Análise de Alimentos, São Paulo, SP, Brasil.

Palavras-chave:

Apis mellifera L., b-caroteno, ácido linoleico.

Resumo

A própolis é uma substância resinosa coletada de diversas partes das plantas por abelhas e misturada à cera, pólen e secreções salivares. Sua composição é complexa e está relacionada, principalmente, às características da vegetação de cada região. Trinta e três amostras de própolis foram coletadas em quatro regiões brasileiras (Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-Oeste) e analisadas quanto à sua capacidade antioxidante, pela oxidação acoplada do sistema b-caroteno/ácido linoleico. Variação significativa na capacidade antioxidante (51,33-92,70%) foi observada de acordo com a região onde a amostra foi coletada. A capacidade antioxidante das amostras de própolis da região Nordeste foi menor que a das amostras das regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste, respectivamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

08-10-2014

Como Citar

DE-MELO, A. A. M.; MATSUDA, A. H.; FREITAS, A. da S. de; BARTH, O. M.; ALMEIDA-MURADIAN, L. B. de. Capacidade antioxidante da própolis. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 44, n. 3, p. 341–348, 2014. Disponível em: https://revistas.ufg.br/pat/article/view/26497. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Ciência e Tecnologia de Alimentos