Potencial fisiológico de sementes de crambe em função de embalagens e armazenamento

Autores

  • Rafael Brito Cardoso Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)
  • Flávio Ferreira da Silva Binotti Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)
  • Eliana Duarte Cardoso Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Palavras-chave:

Crambe abyssinica Hochst, germinação, biodiesel.

Resumo

O crambe é uma leguminosa com alto potencial para produção de biodiesel, devido ao seu elevado teor de óleo nos grãos. Existe grande preocupação, quanto à manutenção da qualidade fisiológica da semente por tempo mais prolongado, por pequenos agricultores. Este trabalho objetivou avaliar o potencial fisiológico de sementes de crambe (Crambe abyssinica Hochst), cultivar FMS Brilhante, em função de diferentes tipos de embalagem e armazenamento. O trabalho foi desenvolvido no Laboratório de Análise de Sementes da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, em Cassilândia (MS), entre 2010 e 2011. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 4x4, sendo constituído pela combinação de tipos de embalagem (testemunha, metálica, garrafa plástica tipo PET e caixa de isopor) e tempos de armazenamento (zero, três, seis e nove meses), com quatro repetições. A embalagem metálica proporcionou melhor preservação da qualidade fisiológica de sementes de crambe, enquanto, para o aumento do tempo de armazenamento, este efeito foi negativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávio Ferreira da Silva Binotti, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Fitotecnia: Sementes

Eliana Duarte Cardoso, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Fitotecnia: Fisiologia de  Sementes

Downloads

Publicado

03-09-2012

Como Citar

CARDOSO, R. B.; BINOTTI, F. F. da S.; CARDOSO, E. D. Potencial fisiológico de sementes de crambe em função de embalagens e armazenamento. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 42, n. 3, p. 272–278, 2012. Disponível em: https://revistas.ufg.br/pat/article/view/17249. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Produção Vegetal