TUBERCULOSE NA ETNIA MUNDURUKU DA AMAZÔNIA BRASILEIRA: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PÚBLICA

Autores

  • Laura Maria Vidal Nogueira
  • Paulo Cesar Basta
  • Elizabeth Teixeira
  • Maria Catarina Salvador da Motta

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpt.v45i1.40136

Palavras-chave:

Indígenas, infecção tuberculosa latente, tuberculose.

Resumo

Os objetivos foram identificar sintomáticos respiratórios e casos de doença ativa, assim como estimar a prevalência de infecção latente por tuberculose (ILTB), fatores associados e descrever as características radiológicas entre pessoas com resultado de prova tuberculínica ?10mm. Trata-se de estudo prospectivo realizado com amostra de conveniência de 1.213 indígenas da etnia Munduruku, do Rio Tapajós, município de Jacareacanga-Pará. Para obtenção dos dados, foram realizados exames diretos e cultura no escarro, prova tuberculínica e radiografias de tórax, o que permitiu a identificação de tuberculose ativa e latente. Para a análise dos dados, valeu-se do softwere Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) com os procedimentos estatísticos: teste X2, análises univariadas e multivariadas, nível de significância ?=5% e p valor <0,05, IC 95%. Odds ratio foi utilizado como medida de associação. Foram identificados 70 sintomáticos respiratórios (5,8% da população estudada), obtendo-se a confirmação de Mycobacterium tuberculosis com prevalência pontual de 82,4/100.000. Foram realizados 219 exames radiológicos do tórax, dos quais 40 (18,3%) apresentaram alterações, sendo uma imagem cavitária. Foram realizados 1.213 testes tuberculínicos (PT) e a prevalência de infecção pelo M. tuberculosis (MTB) foi de 22,0% nas reações ?10mm e de 37,4% para o ponto de corte de 5mm. As reações à PT ?10mm mostraram-se associadas com as variáveis aldeia, idade acima de 40 anos, gênero, história de contato e presença de cicatriz vacinal de BCG. São altos os índices de adoecimento quando comparados com a população não indígena. Conclue-se pelos elevados índices que alguns adultos podem ter sido infectados no passado, entretanto a associação de infecção com idade acima de 40 anos indica contato.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-02-25

Como Citar

NOGUEIRA, L. M. V.; BASTA, P. C.; TEIXEIRA, E.; DA MOTTA, M. C. S. TUBERCULOSE NA ETNIA MUNDURUKU DA AMAZÔNIA BRASILEIRA: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PÚBLICA. Revista de Patologia Tropical / Journal of Tropical Pathology, Goiânia, v. 45, n. 1, p. 23–32, 2016. DOI: 10.5216/rpt.v45i1.40136. Disponível em: https://revistas.ufg.br/iptsp/article/view/40136. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES