ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA INFRAESTRUTURA TURÍSTICA NO SÍTIO HISTÓRICO DE PIRENÓPOLIS (GO): SUBSÍDIOS AO PLANEJAMENTO TURÍSTICO - DOI 10.5216/bgg.V30i1.11198

Autores

  • Rangel Gomes Godinho Universidade Federal de Goiás
  • Ivanilton José de Oliveira Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v30i1.11198

Resumo

A análise e avaliação da distribuição da infraestrutura turística é um importante elemento para compreender como, a partir de objetos técnicos, o turismo produz o espaço geográfico. No caso da cidade goiana de Pirenópolis, os elementos do patrimônio histórico-arquitetônico e do patrimônio natural compõem a oferta turística, que necessita de um conjunto de infraestruturas que subsidiem o uso turístico e potencializem o desenvolvimento dessa atividade. O presente trabalho realiza a análise e a avaliação da distribuição da infraestrutura turística no polígono tombado de Pirenópolis, cotejando-a com a localização dos atrativos turísticos, no intuito de compreender sua contribuição para o desenvolvimento do turismo. Com este objetivo, foram realizados diversos levantamentos de campo para identificação e registro da infraestrutura turística e dos atrativos turísticos da área urbana. Esse inventário embasou a construção dos mapas dos atrativos turísticos e da infraestrutura turística, para realização do estudo e, assim, subsidiar as análises e discussões dos resultados. Pode-se concluir que a distribuição geográfica da infraestrutura turística na área tombada obedece a padrões, segundo as diversas tipologias listadas, que não favorecem a visitação e fruição do patrimônio cultural, pois se distribuem aleatoriamente por todo o polígono.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-08-31

Como Citar

GOMES GODINHO, R.; OLIVEIRA, I. J. de. ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA INFRAESTRUTURA TURÍSTICA NO SÍTIO HISTÓRICO DE PIRENÓPOLIS (GO): SUBSÍDIOS AO PLANEJAMENTO TURÍSTICO - DOI 10.5216/bgg.V30i1.11198. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 30, n. 1, p. 107–122, 2010. DOI: 10.5216/bgg.v30i1.11198. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/11198. Acesso em: 29 maio. 2023.

Edição

Seção

Artigos