Ética ambiental, sistema agrícola e paisagem cultural na Mata Atlântica no Sudeste Brasileiro - DOI 10.5216/ag.v3i3.8574

Autores

  • Scott William Hoefle Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v3i3.8574

Resumo

A relação entre ambiente, sistema agrícola e paisagem cultural é examinada através do conceito da ética ambiental da Ecologia Radical e do modelo de desenvolvimento sustentável da Ecologia Política, com o intuito de avaliar como a combinação dessas duas abordagens pode oferecer uma explicação mais complexa dos processos de mudança técnica, apropriação de recursos naturais e transformação social de que aquelas encontradas no Estruturalismo, Marxismo e Darwinismo Econômico ou na Ecologia Espiritual. Diferentes tipos de éticas ambientais e modelos de desencantamento de visão do mundo presentes na literatura são apresentados, servindo de base de avaliação do estudo de caso sobre a percepção ambiental na Zona Serrana Fluminense. Inicialmente, retrata-se o impacto ambiental de novos sistemas agrícolas na área de estudo e a mudança na valorização da zona rural e urbana expressa na percepção espacial da população rural. Depois, analisa-se a influência de diferentes sistemas agrícolas e visões de mundo religiosas na domesticação da paisagem e na percepção da biodiversidade. Finalmente, relaciona-se a ética ambiental à prática agrícola, visando à pesquisa e a extensão rural participativa. Questionam-se no trabalho visões deterministas da relação linear entre mudança técnica, desflorestamento e visão de mundo e argumenta-se que uma síntese entre a Ecologia Radical e a Ecologia Política capta melhor a complexidade ambiental e cultural presente em áreas da Mata Atlântica. Palavras Chaves: ética ambiental, sistema agrícola, paisagem cultural, Mata Atlântica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-01-08

Como Citar

HOEFLE, S. W. Ética ambiental, sistema agrícola e paisagem cultural na Mata Atlântica no Sudeste Brasileiro - DOI 10.5216/ag.v3i3.8574. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 3, n. 3, p. 22–52, 2010. DOI: 10.5216/ag.v3i3.8574. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/8574. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos