Educação Ambiental e Iniciação Científica no Ensino Fundamental

Authors

  • Anarisa Fátima Carminatti Universidade de Caxias do Sul
  • Vania Elisabete Schneider Universidade de Caxias do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5216/ijaeedu.v4i1.44416

Abstract

O desenvolvimento de habilidades científicas é o principal objetivo da Alfabetização Científica e Tecnológica, alvo de interesse de inúmeros pesquisadores que tentam tanto elucidar os mecanismos de concretização junto aos estudantes, quanto avaliar os indicadores desse processo. Neste estudo objetivou-se avaliar a efetividade da Educação Ambiental para o desenvolvimento de habilidades científicas em estudantes de uma escola pública, localizada na Microbacia do Arroio Pena Branca no Município de Caxias do Sul, RS, utilizando como tema motivador os recursos hídricos. A metodologia qualitativa participante foi a escolhida e, como estratégias para coleta de dados, utilizou-se o questionário e o grupo focal. O método de aprendizagem ativa utilizado com os participantes foi o Ensino pela Pesquisa. O envolvimento dos estudantes de Ensino Fundamental nas atividades de pesquisa demonstrou-se uma importante ferramenta para a compreensão das metodologias científicas e sua aplicabilidade em atividades de Educação Ambiental, bem como para a formação profissional futura. 

Author Biography

Anarisa Fátima Carminatti, Universidade de Caxias do Sul

Bacharel e Licenciada Plena em Ciências-Biologia, Especialista em Educação de Jovens e Adultos e Mestranda do Mestrado Profissional em Engenharia e Ciências Ambientais pela Universidade de Caxias do Sul. Atuo como professora do Ensino Fundamental de escola pública.

References

M. F. F. V. Secco. O Conceito de Bacia Hidrográfica como Instrumento de Educação Ambiental: uma experiência na Escola Bosque de Belém/PA. Departamento de Museologia (DMU)/Serviço de Educação e Extensão Cultural (SEC)/Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG). 1998.

M. Callisto; J. França, Bioindicadores de Qualidade de Água: transmissão de metodologias para o ensino fundamental e médio. Anais do 7° Encontro de Extensão da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte (CD-Room). 2004.

Brasil. Lei Federal nº 9.795/99, de 27 de abril de 1999. Institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. 1999. Disponível em:

. Acesso em: nov. 2014 e jul. 2015.

_______. ProNEA. Programa Nacional de Educação Ambiental. Ministério do Meio Ambiente. 5. ed. Brasília. 2005a.

M. de F. B. da Costa; S. C. F Monteiro; M. A. F. da Costa. Projeto de Educação Ambiental no Ensino Fundamental: bases para práticas pedagógicas. Rev. eletrônica Mestrado em Educação Ambiental, v. 21, jul./dez. 2008.

C. C. Laranjeiras, Um ensino de ciências sem ciências: um simulacro de educação científica. Artigo extraído do Jornal da Ciência por e-mail no. 3980, de 31 de Março de 2010. Disponível em: <http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=69992>. Acesso em: out. 2015.

L. H Sasseron; A. M. P. de Carvalho. Alfabetização Científica: uma revisão bibliográfica. Faculdade de Educação. USP. In: Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 1, pp. 59-77, 2011.

P. Demo. Pesquisa: princípio científico educativo. São Paulo: Cortez, 2006.

Brasil. Lei Federal nº 9.433/97, de 08 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional dos Recursos Hídricos e dá outras providências. 1997. Disponível em: . Acesso em: nov. 2014 e jul. 2015.

[ 10]P. Demo. Educar pela pesquisa. Campinas: Editora Autores Associados, 1996.

ReCESA - Rede Nacional de Capacitação e Extensão Tecnológica em Saneamento Ambiental. Qualidade da Água: padrões de potabilidade e controle da poluição: Guia do profissional em treinamento: Nível 2. Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental – Ministério das Cidades, Brasília, DF. 2013.

Brasil. Resolução CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005. 2005b. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res05/res35705.pdf>. Acesso em: 10 maio de 2015.

C. A. Dias. Grupo focal: técnica de coleta de dados em pesquisas qualitativas. Tese de Mestrado em Ciência da Informação. Universidade de Brasília. DF. 2000.

L. A. Lourinho. Educação na cidade de Fortaleza: diagnóstico e realidade. Prefeitura Municipal de Fortaleza. CE. 2007.

K. Palhares; N. Mayrink; P. Moreno; M. Goulart; M. Moretti; W. Ferreira; A. P. Diniz; L. Rodrigues; M. Callisto. Bioindicadores de Qualidade de Água: a educação ambiental como uma ferramenta de união UFMG – Escolas. Anais do V Simpósio de Ecossistemas Brasileiros, 1:182-189. 2000.

J. F. Machado. Fazendo a educação ambiental na escola. Programa de Educação Ambiental na Bacia do Rio Piracicaba: Curso de formação de Professores na área ambiental; Guerra e Barbosa. UFMG/ICB:BH. 1996.

Published

27-11-2017