O Conceito de Engenharia à Luz do Conselho Profissional: por uma Crítica Filosófica do Ensino de Engenharia

Authors

  • José Aravena-Reyes Universidade Federal de Juiz de Fora

Abstract

Este artigo representa um estudo crítico sobre o conceito de engenharia –fundamento para todo o processo formativo dos engenheiros– a partir das definições encontradas na literatura profissional. São apresentados três argumentos filosóficos que permitem analisar as definições de engenharia que embasam as normativas legais da profissão. Constata-se nessa análise a fragilidade das definições e as suas consequências no processo formativo dos estudantes de engenharia, especificamente em torno à conceituação legal do termo projeto. Verificasse a necessidade de uma reflexão filosófica de modo a subsidiar apropriadamente a redefinição de conceitos utilizados no processo formativo e na vida profissional

Author Biography

José Aravena-Reyes, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professor Associado IV do Departamento de Construção Civil, DSc. em Engenharia Oceânica, área de Projeto de Sistemas Oceânicos, Lider do Núcleo de Pesquisas em Educação e Tecnologia, Coordenador do Curso de Pósgraduação em Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação no Esnino Básico, Professor da Disciplina Projeto e Desenho Auxiliado por Computador, com pesquisas em Educação de Engenharia, filosofia da engenharia e do projeto e Educação a Distância

References

R.A.E., Philosophy of Engineering: Proceedings of a series of seminars held at The Royal Academy of Engineering, Vol. 1, The Royal Academy of Engineering, 2010, Londres, UK.

R.A.E., Philosophy of Engineering: Proceedings of a series of seminars held at The Royal Academy of Engineering, Vol. 2, The Royal Academy of Engineering, 2011, Londres, UK.

E. SILVA, “Filosofia da engenharia: O que é e porque deveria se interessar”, Dissertação de Mestrado, Programa de Engenharia de Produção, COPPE UFRJ, 2011, Rio de Janeiro, Brasil.

C. MITCHAM, “The importance of Philosophy to Engineering”, Teorema, Vol XVII-3, 1998, Universidad de Oviedo, Espanha, Pág. 27-47.

A. PICON, “Engineers and Engineering History: Problems and Perspectives” em History and Technology, Vol. 20, No. 4, 2004, Routledge, Taylor and Francis Ltda., UK, pág. 421-436.

B. KOEN, Definition of the Engineering Method, American Society of Engineering Education, 1985, USA.

M. CHAUÍ, Convite à filosofia, 6ª Edição, Editora Ática, 1995, São Paulo, Brasil.

P. SIMONS, “Ontology in Engineering” em Philosophy of Engineering: Proceedings of a series of seminars held at The Royal Academy of Engineering, Vol. 2, The Royal Academy of Engineering, pág. 21-25, 2011, Londres, UK.

N. ABBAGNANO, Dicionário de Filosofia, 4ª Edição, Trad. Alfredo Rossi, Martins Fontes Editora, 2000, São Paulo, Brasil.

M. HEIDEGGER, “La Pregunta por la Técnica” em Martin Heidegger: Filosofía, Ciencia y Técnica, 3ª Edición, Colección Saber y Cultura, Editorial Universitaria, 1997, Santiago, Chile.

E. CRAIA, Gilles Deleuze e a questão da Técnica, Tese de Doutorado, UNICAMP, 2003, Brasil.

F. NIETZSCHE, Genealogia da Moral: Uma polémica, Trad. Paulo César Lima de Souza, Companhia das Letras, 2009, São Paulo, Brasil.

M. FOUCAULT, Microfísica do Poder, Org. Roberto Machado, 25ª Edição, Edições Graal Ltda., 2012, São Paulo, Brasil.

CONFEA; Trajetória e Estado da Arte da Formação em Engenharia, Arquitetura e Agronomia, Vol. I: Engenharias, INEP-CONFEA, 2010, Brasília, Brasil.

V. OLIVEIRA & N. ALMEIDA, “Retrospectiva e Atualidade da Formação em Engenharia” em Trajetória e Estado da Arte da Formação em Engenharia, Arquitetura e Agronomia, Vol. I: Engenharias, INEP-CONFEA, 2010, Brasília, Brasil, pág. 21-50.

H. DREYFUS & P. RABINOT, Michel Foucault, uma Trajetória Filosófica: Para além do Estruturalismo e da Hermenêutica, 2ª Edição, Trad. Vera Portocarrero e Gilda Carneiro, Forense Universitária, 2013, Rio de Janeiro, Brasil.

R. LIMA Jr., “O Exercício Profissional em Engenharia: Panorama da Regulação e da Fiscalização do Exercício Profissional da Engenharia Arquitetura e Agronomia no Brasil” em Trajetória e Estado da Arte da Formação em Engenharia, Arquitetura e Agronomia, Vol. I: Engenharias, INEP-CONFEA, 2010, Brasilia, Brasil, pág. 71-101

E. COELHO, As profissões imperiais: medicina, engenharia e advocacia no Rio de Janeiro - 1822-1930, Editora Record, 1999, Rio de Janeiro, Brasil

H. VARGAS, “Sem Perder a Majestade: ‘Profissões Imperiais’ no Brasil” em Estudos de Sociologia, Vol. 15, No. 28, 2010, UNESP, Brasil, pág. 107-124.

CONFEA; Sistema Confea/Crea 80 Anos: Um registro do histórico da legislação das profissões, no Brasil, desde o Império, Taia Araujo Ed., Gerencia de Comunicação/Superintendência de Estratégia e Gestão do Confea, 2013, Brasilia, Brasil.

ARISTÓTELES; Metafísica, 2ª Edição, 1ª Reimpressão, Trad. Edson Bini, Edições Profissionais Ltda., 2015, São Paulo, Brasil.

D. PINTO & V. OLIVEIRA, “Reflexões sobre a prática do engenheiro-professor”. Anais do XL Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia, COBENGE, 2012, Belém, PA, Brasil.

PLATÃO; Íon (Diálogos); Trad. Victor Jabouille, Editorial Inquérito Limitada, 1988, Lisboa, Portugal.

J. ARAVENA-REYES et Al, “Filosofia de Projeto: Fundamentos e Críticas num Campo Emergente de Pesquisa” em Estudos em Design, Vol. 11, No. 1, 2003, Rio de Janeiro, Brasil.

P. BOUTINET, Antropologia do Projeto, Editora Lisboa, 1989, Brasil.

P. PAL PELBART, Vida Capital, Ensaios de Biopolítica, Editora Iluminuras Ltda., 2003, Brasil.

Published

22-12-2015