Análise das Abordagens PBL e PLE na Educação em Engenharia com Base na Taxonomia de Bloom e no Ciclo de Aprendizagem de Kolb

Authors

  • Luiz Carlos de Campos Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Abstract

Os profissionais de Engenharia de hoje precisam dominar habilidades e competências que vão além do conhecimento técnico, e incluem habilidades colaborativas para resolver problemas, desenvolver tecnologia e gerar inovação. Os cursos de Engenharia que utilizam a metodologia tradicional não parecem ser capazes de ajudar os alunos a atingirem seu pleno potencial. Por outro lado, experiências com as abordagens PBL (do inglês: Problem-Based Learning) e PLE (do inglês: Project-Led Education) no ensino da Engenharia têm aumentado nos últimos anos, e seus resultados parecem ser melhores do que outras abordagens educacionais em uso. Enquanto a abordagem PBL analisa casos problemas, com pequenas tarefas e respostas conhecidas para problemas conhecidos, a abordagem PLE é centrada na criação de produtos, com grandes tarefas e múltiplas soluções inovadoras para perguntas desafiadoras, e adota uma abordagem educacional concreta, na qual os alunos criam materiais, artefatos, processos e sistemas, intimamente relacionados com suas situações profissionais futuras. No entanto, ainda há muita confusão entre essas duas abordagens. O objetivo deste trabalho é lançar luz sobre estes temas, através da apresentação de um quadro teórico sintético com base na taxonomiade Bloom e no ciclo de aprendizagem de Kolb.

 

Palavras-chave: Educação em Engenharia, Aprendizagem Baseada em Problemas, Aprendizagem Baseada em Pro-jetos, Ensino e Aprendizagem em Engenharia.

Author Biography

Luiz Carlos de Campos, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Departamento de Física

References

S. M. G. Puente, C. J. M. Jongeneelen and J. C. Perrenet. “A Aprendizagem Baseada na Concepção de um Projeto no Ensino

de Engenharia Mecânica”. In: L. C. Campos, E. A. T. Dirani and A. L. Manrique (Orgs.) Educação em Engenharia: Novas

Abordagens. São Paulo: Educ, 2011.

B. S. Santos, “Pela Mão de Alice: o Social e o Político na Pós-Modernidade”. Porto: Afrontamento, 1999.

B. S. Santos and N. Almeida Filho, “A Universidade no Século XXI: para uma Universidade Nova”. São Paulo: Almedina Brasil,

D. Risto?, “A tríplice crise da universidade brasileira”. In: Trindade, H. (Org.) Universidade em Ruínas na República dos

Professores. Petrópolis: Vozes, 2001.São Paulo, v. 41, 2001.

P. L. Goergen, “Prefácio”. In: J. Dias Sobrinho, Dilemas da Educação Superior no mundo Globalizado: Sociedade do Conheci-

mento ou Economia do Conhecimento. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.

L. R. C. Ribeiro and M. G. Mizukami, “An experiment with PBL in higher education as appraised by the teacher and students”.

Interface, Botucatu, v. 9, n.17, p. 357-368, mar./ago. 2005.

T. Barrett and S. Moore, “An introduction to problem-based learning”. In: T. Barrett and S. Moore, New approaches to problem-

based learning: revitalising your practice in higher education. London: Routledge, 2010.

J. A. Amador, L. Miles and C. B. Peters, “The practice of problem-based learning: a guide to implementing PBL in college

classrooms”. New York: John Wiley Professional, 2006.

W. Weenk and M. Van Der Blij, “Tutors and teachers in project-led engineering education: a plea for PLEE tutor training”. In:

rd International Symposium on Project Approaches in Engineering Education: aligning engineering education with engineering

challenges. Lisbon: PAEE, 2011.

P. C. Powell and G. W. H. Weenk, “Project-led engineering education”. Utrecht: Lema Publishers, 2003.

A. C. Gil, “Didática do ensino superior”. São Paulo: Atlas, 2006.

M. A. Marconi and E. M. Lakatos, “Metodologia do trabalho cientí?co”. São Paulo: Atlas, 2006

O. Fachin, “Fundamentos de metodologia”. São Paulo: Saraiva, 2005.

M. A. Marconi and E. M. Lakatos, “Metodologia cientí?ca”. São Paulo: Atlas, 2004.

S. C. Vergara, “Métodos de pesquisa em Administração”. São Paulo: Atlas, 2005.

M. A. Marconi and E. M. Lakatos, “Técnicas de pesquisa”. São Paulo: Atlas, 1990.

B. S. Bloom, “Re?ections on the development and use of the taxonomy”. In L. W. Anderson and Lauren A. S. (Eds.). Bloom’s

taxonomy: a forty-year retrospective. Chicago: National Society for the Study of Education, 1994.

D. A. Kolb, “Experiential learning: experience as the source of learning and development”. Englewood Cli?s: Prentice Hall,

A. P. C. M. Ferraz and R. V. Belhot, “Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para

de?nição de objetivos instrucionais”. Gestão da Produção, São Carlos, v. 17, n.2, p. 421-431, 2010.

A. C. B. D. Carvalho, “Procedimento para auxiliar o processo ensino/aprendizagem na Engenharia”, Tese de doutorado, EESC,

USP, São Carlos, 2002.

S. C. Vergara and P. D. Branco, “Empresa humanizada”. Revista de Administração de Empresas. São Paulo: Atlas, 1998.

A. C. Batista dos Santos, J. M. L. Alloufa and L. H. Nepomuceno, “Epistemologia e metodologia para as pesquisas críticas em

Administração”. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 50, n. 3, p. 312-324, jul./set. 2010.

J. Rodrigues, “A taxonomia de objetivos educacionais: um manual para o usuário”. Editora UNB, 1994.

A. M. Belnoski and M. Dziedzic, “O ciclo de aprendizagem na prática da sala de aula”. Athena – Revista Cientí?ca de Educação,

v. 8, n.8, p. 43-53, jan./jun. 2007.

Published

03-06-2014