Engenharia Mecânica e o Desenvolvimento Tecnológico de Mato Grosso

Authors

  • Priscila Bernardi Rockenbach Universidade Federal de Mato Grosso, Campi de Rondonópolis
  • Douglas da Costa Ferreira Universidade Federal de Mato Grosso, Campi de Rondonópolis

Abstract

O curso de engenharia mecânica da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) iniciou suas atividades em julho de 2006 e cinco turmas se formaram até o momento, totalizando 44 formados. Como o estado de Mato Grosso ainda é eminentemente agrícola, porém em longos passos para industrialização, surgiu a necessidade de analisar a adequação do modelo curricular atual do curso de engenharia mecânica da UFMT com as necessidades do estado. A pesquisa se deu em quatro etapas, sendo elas: comparação do currículo de engenharia mecânica da UFMT com os melhores cursos de engenharia mecânica do Brasil, segundo o Enade; análise dos anseios e características das empresas de Rondonópolis/MT com relação ao currículo do curso; análise dos meios de fomento; e apreciação junto ao setor público. As duas últimas ainda não foram cumpridas. Como resultado, foi possível adequar o currículo do curso, melhor agir perante as demandas do estado e obter um panorama das ações a serem realizadas pelos agentes governamentais em suas várias instâncias, pelos órgãos de fomento e pela iniciativa privada com interesses em tecnologia e mão-de-obra especializada.

 

Palavras-chave: Engenharia Mecânica, Matrizes Curriculares, Aluno Egresso, Mercado de Trabalho.

References

FIEMT - Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso. A indústria de Mato Grosso na 1ª década do século XXI. Disponível em: <http://www.fiemt.com.br >. Acesso em: abr. 2012.

E-MEC. Sistema de Regulação do Ensino Superior. Disponível em: <http://emec.mec.gov.br/>. Acesso em set. 2013.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Relatório de avaliação trienal 2010. Disponível em: <http://trienal.capes.gov.br/wp-content/uploads/2010/12/ENGENHARIAS-III-RELAT%C3%93RIO-DE-AVALIA%C3%87%C3%83O-FINAL-dez10.pdf>. Acesso em: ago. 2012.

PORTAL INEP, INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Avaliação dos cursos de graduação. Disponível em: http://portal.inep.gov.br. Acesso em set. 2011.

POLIDORI, MARLIS MOROSINI. Políticas de avaliação da educação superior brasileira: Provão, SINAES, IDD, CPC, IGC e... outros índices. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 14, n. 2, jul. 2009.

DAGNINO, RENATO. NOVAES, HENRIQUE T. O papel do engenheiro na sociedade. Revista Tecnologia e Sociedade. Curitiba: UTFPR, n. 06, 2008.

KAWAMURA, LILI KATSUCO. Engenheiro: Trabalho e Ideologia. São Paulo: Ática, 1981.

SHIROMA, ENEIDA OTO. Novos modelos de produção: trabalho e pessoas. Revista Latinoamericana de Estudios del Trabajo, São Paulo, v. 10, 1999.

FRAGOSO, LUANE. Curso de inglês instrumental on-line para graduandos de engenharia. III ENCONTRO NACIONAL SOBRE HIPERTEXTO. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009. p. 1-2.

PIZZOLATO, CARLOS EDUARDO et al. O inglês instrumental em cursos de engenharia e a construção de sentidos. I CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS NA FORMAÇÃO TECNOLÓGICA. Faculdade de Tecnologia, Indaiatuba, abr. 2008. p. 1-2.

CREMASCO, MARCO AURÉLIO. A responsabilidade social na formação de engenheiros. In: Instituto Ethos de Empresa e Responsabilidade Social (Org.). Responsabilidade social das empresas. 1 ed. São Paulo, v. 7, 2009.

LAUDARES, JOÃO BOSCO. A requalificação do engenheiro do setor metal-mecânico na fábrica globalizada. XXIX - ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Salvador, out. 2009.

MAYR, ANA CAROLINA et al. A responsabilidade da engenharia: uma visão sobre educação e trabalho. XXXVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA. Fortaleza, set. 2010.

DONAIRE, DENIS. Considerações sobre a influência da variável ambiental na empresa. Revista de Administração de Empresas. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, n. 2, mar. 1994.

OLIVEIRA, EDSON MARQUES. Empreendedorismo social e empresa júnior no brasil: o emergir de novas estratégias para formação profissional. Franca, SP: Unesp, 2004.

BARREIRO, ÁGUIDA CELINA DE MÉO. BAGNATO, VANDERLEI SALVADOR. Aulas demonstrativas nos cursos básicos de física. V REUNIÃO LATINO AMERICANA SOBRE EDUCAÇÃO EM FÍSICA. Gramado, Rio Grande do Sul, 24 a 28 de agosto de 1992.

FRANKENEBERG, CLÁUDIO LUIS. et. al. Reestruturação curricular do curso de Engenharia química da pucrs: proposta e Metodologia. CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 19 a 21 de setembro de 2001.

PEZERICO, EVERTON UNFER. et. al. Projeto desenvolvimento de uma aeronave não tripulada para competição: uma contribuição à formação acadêmica e à divulgação da ciência e tecnologia. XVII SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. II SALÃO DE ENSINO E EXTENSÃO. Universidade de Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul, 24 a 28 de outubro de 2011.

Published

02-06-2014