ANTI-SEPSIA PARA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA E INTRAMUSCULAR

Autores

  • Shirley Ribeiro Cardoso Faculdade de Enfermagem
  • Lara Solana Pereira Faculdade de Enfermagem
  • Adenícia Custódia Silva e Souza Faculdade de Enfermagem
  • Anaclara Ferreira Veiga Tipple Faculdade de Enfermagem
  • Milca Severino Pereira Faculdade de Enfermagem
  • Ana Luiza Neto J unqueira Faculdade de Enfermagem

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v8i1.940

Resumo

RESUMO: A pele abriga vasta microbiota, que poderá penetrar camadas mais internas durante a aplicação de medicamentos por via parenteral, daí a importância da anti-sepsia para este procedimento. Objetivamos identificar a utilização da anti-sepsia para a administração de medicamentos por via endovenosa e intramuscular como medida de prevenção de infecção. Estudo descritivo, realizado com a equipe de enfermagem, em oito unidades de um hospital de ensino do município de Goiânia-Go. Os dados foram obtidos mediante observação e preenchimento de check-list. Observamos 212 profissionais. Quanto à via de administração, 19,8% dos procedimentos foram realizados por via EV direta, 72,6% por via EV com sistema já instalado e 7,6% por via IM. A maioria dos profissionais, 79,2%, não lavou as mãos antes de realizar o procedimento. Das 154 medicações feitas em sistema venoso já instalado, não foi realizada a desinfecção do injetor de borracha em 47 (30,5%). No que se refere à anti-sepsia, 72,4% das medicações realizadas por via EV e 27,6% por via IM, utilizaram o anti-séptico em todas as situações mas, em apenas 40,5% das injeções EV e em 37,5% das IM foram feitos os cinco ou mais movimentos em um mesmo sentido com o algodão embebido com álcool a 70%, que é o procedimento preconizado para a realização da anti-sepsia da pele. Após a anti-sepsia, 25 profissionais tocaram o local, contaminando-o, destes apenas 13 (52,0%) fizeram nova anti-sepsia, portanto, houve a recontaminação em 12 situações. Os dados revelam que medidas necessárias à prevenção de infecção, na administração de medicamentos via parenteral nem sempre são adotadas, representando um desafio à educação permanente e do controle de infecção no hospital em estudo. PALAVRAS-CHAVES: Agentes antiinfecciosos Locais; Infecção Hospitalar.; Cuidados Básicos de Enfermagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

30/12/2006

Como Citar

1.
Cardoso SR, Pereira LS, Souza ACS e, Tipple AFV, Pereira MS, unqueira ALNJ. ANTI-SEPSIA PARA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA E INTRAMUSCULAR. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 30º de dezembro de 2006 [citado 1º de julho de 2022];8(1). Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/940

Edição

Seção

Artigo Original