Processo de limpeza da sala operatória: riscos à saúde do usuário e do trabalhador

Autores

  • Regiane Aparecida dos Santos Soares Barreto Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem
  • Larissa Oliveira Rocha-Vilefort Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem
  • Adenícia Custódia Silva e Souza Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem
  • Marinésia Aparecida Prado-Palos Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem
  • Maria Alves Barbosa Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem
  • Vanderléia Patrícia Freitas Nunes Borges

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v13i2.9191

Palavras-chave:

Enfermagem, Descontaminação, Salas Cirúrgicas.

Resumo

Estudo descritivo realizado de 2007 a 2008, em um hospital de ensino de Goiânia-GO, com a equipe de enfermagem e de higienização e limpeza que objetivou caracterizar a limpeza de salas operatórias do centro cirúrgico e a adesão ao uso dos equipamentos de proteção individual pelos profissionais. A limpeza preparatória foi efetuada em 87,5% das salas operatórias. Das 40 cirurgias observadas, houve queda de matéria orgânica no piso em 37,5%, sem a devida limpeza. A desinfecção de superfícies e equipamentos com álcool a 70% não foi observada em nenhum dos turnos. O uso adequado de EPI foi ignorado por 14,3% profissionais de enfermagem no matutino e 41,7%, no vespertino. É clara a necessidade de capacitação dos profissionais quanto ao processo da limpeza de sala operatória, ao uso de equipamentos de proteção individual, à higienização das mãos e a reflexão sobre a sua responsabilidade no controle de infecção de sitio cirúrgico.

Descritores: Enfermagem; Descontaminação; Salas Cirúrgicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regiane Aparecida dos Santos Soares Barreto, Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem

Enfermeira, Mestre em Enfermagem, Doutorando em Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Goiás (UFG). Professor Assistente, Faculdade de Enfermagem (FEN), UFG. Goiânia, GO, Brasil. E-mail: remajuau@yahoo.com.br

Larissa Oliveira Rocha-Vilefort, Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem

Enfermeira, Mestre em Enfermagem, Enfermeira da Secretária Municipal de Saúde de Goiânia/GO. Goiânia, GO, Brasil. E-mail: larisssarocha@yahoo.com.br.

Adenícia Custódia Silva e Souza, Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem

Enfermeira, Doutora em Enfermagem, Docente Colaborador, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, UFG, Goiânia, GO, Brasil. E-mail: adenicia@fen.ufg.br.

Marinésia Aparecida Prado-Palos, Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem

Enfermeira, Doutora em Enfermagem, Professor Adjunto, FEN, UFG. Goiânia, GO, Brasil. E-mail: marinesiaprado@gmail.com.

Maria Alves Barbosa, Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem

Enfermeira, Doutora em Enfermagem, Professor Adjunto, FEN, UFG. Goiânia, GO, Brasil. E-mail: maria.malves@gmail.com.

Vanderléia Patrícia Freitas Nunes Borges

Enfermeira. Goiânia, GO, Brasil. E-mail: vanderleia2004@hotmail.com.

Downloads

Publicado

30/06/2011

Como Citar

1.
Barreto RA dos SS, Rocha-Vilefort LO, Souza ACS e, Prado-Palos MA, Barbosa MA, Borges VPFN. Processo de limpeza da sala operatória: riscos à saúde do usuário e do trabalhador. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 30º de junho de 2011 [citado 19º de maio de 2022];13(2):269-75. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/9191

Edição

Seção

Artigo Original