Quedas em idosos institucionalizados no município de Goiânia

Autores

  • Ruth Losada de Menezes Universidade Católica de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v10i1.8022

Palavras-chave:

Acidentes por quedas, Idosos, Riscos ambientais, Fatores de risco.

Resumo

As quedas em idosos constituem importante problema de saúde pública e devem ser sempre valorizadas, não só pelas conseqüências imediatas, como também pelos efeitos cumulativos e repercussões incapacitantes e onerosas. Vários estudos apontam que em idosos institucionalizados as quedas são mais freqüentes e apresentam causas multifatoriais. Os objetivos deste estudo foram: identificar a prevalência de quedas e seu contexto de ocorrência em idosos institucionalizados; estudar a relação da variável dependente (queda) com as variáveis sócio-demográficas; avaliar dados multidimensionais relacionados aos idosos, enquanto fatores predisponentes para futuras quedas e caracterizar o ambiente físico das instituições, avaliando aspectos predisponentes às quedas. Foi realizado um estudo descritivo transversal em seis instituições de longa permanência para idosos existentes na cidade de Goiânia. A amostra da investigação constou de 95 idosos que atenderam aos critérios de inclusão e exclusão. Utilizou-se um questionário contendo dados sócio-demográficos; informações sobre episódios de queda nos últimos doze meses e seu contexto de ocorrência; dados clínicos relacionados às condições de saúde-doença; dados cognitivos (Escala de Depressão Geriátrica abreviada de Yesavage – GDS); avaliação da capacidade para as atividades básicas de vida diária (Escala de atividades básicas de vida diária de Katz); avaliação do equilíbrio e marcha através da escala “Performance – Oriented Mobility Assessment” (POMA) versão POMA-Brasil e um questionário contendo informações relacionadas ao ambiente das instituições. Para a análise descritiva e testes de associação entre a variável dependente e as variáveis sócio-demográficas aplicaram-se o teste de Qui-quadrado – o valor de p utilizado como padrão foi de 0,05 (5%). Os achados mostraram que 34,7% dos idosos relataram quedas nos últimos 12 meses e o fator de risco sócio-demográfico considerado significativo foi o sexo feminino (p=0,045). Os idosos avaliados, no geral, apresentam fatores de risco, apontados pela literatura, para quedas. Da mesma forma todas as instituições de longa permanência para idosos apresentaram riscos ambientais que predispõem às quedas. Os dados desta pesquisa apontam para a necessidade de que providências devem ser tomadas para que futuras quedas possam ser evitadas.

Palavras chave: Acidentes por quedas; Idosos; Riscos ambientais; Fatores de risco.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

01/11/2009

Como Citar

1.
Menezes RL de. Quedas em idosos institucionalizados no município de Goiânia. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 1º de novembro de 2009 [citado 23º de maio de 2022];10(1). Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/8022

Edição

Seção

Resumo