Estudo ecológico das tendências de mortalidade em menores de 5 anos em Goiás, 2000–2018

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v23.65426

Palavras-chave:

Mortalidade Infantil, Estatísticas Vitais, Indicadores Básicos de Saúde, Atenção Primária à Saúde, Estudos de Séries Temporais

Resumo

Objetivo: Identificar a taxa de mortalidade em crianças menores de 5 anos e descrever sua evolução no estado de Goiás quanto ao componente etário, variáveis sociodemográficas e evitabilidade. Métodos: Trata-se de um estudo ecológico de séries temporais utilizando regressão linear generalizada pelo método de Prais-Winsten para a análise de tendência. Resultados: A correlação das taxas de mortalidade com a cobertura da Estratégia Saúde da Família foi verificada pelo coeficiente de correlação de Pearson. O estado de Goiás apresentou tendência decrescente na taxa de mortalidade em crianças menores de 5 anos, com variação percentual anual de -1,6% (IC95% -1,8%– -0,9%) e correlação negativa com a cobertura da Estratégia Saúde da Família (r=-0,193; p=0,023). Conclusão: As séries das taxas por evitabilidade e subgrupos de causas evitáveis foram decrescentes, com exceção dos óbitos reduzíveis por adequada atenção à mulher na gestação. Prevaleceram óbitos por causas evitáveis, sugerindo necessidade de melhorias na assistência materno-infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Liu L, Oza S, Hogan D, Chu Y, Perin J, Zhu J, et al. Global, regional, and national causes of under-5 mortality in 2000–15: an updated systematic analysis with implications for the Sustainable Development Goals. Lancet [Internet]. 2016 [acesso em: 12 jan. 2020];388(10063):3027-35. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(16)31593-8.

United Nations Children’s Fund. Committing to child survival: a promise renewed. Progress report 2013 [Internet]. New York: UNICEF; 2013 [acesso em: 12 jan. 2020]. Disponível em: https://www.unicef.org/reports/committing-child-survival-promise-renewed.

Malta DC, Prado RR, Saltarelli RMF, Monteiro RA, Souza MFM, Almeida MF. Mortes evitáveis na infância, segundo ações do Sistema Único de Saúde, Brasil. Rev Bras Epidemiol [Internet]. 2019 [acesso em: 15 jan. 2020];22:e190014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1980-549720190014.

Malta DC, Santos MAS, Stopa SR, Vieira JEB, Melo EA, Reis AAC. A cobertura da estratégia de saúde da família (ESF) no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Cien Saude Colet [Internet]. 2016 [acesso em: 15 jan. 2020];21(2):327-38. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232015212.23602015.

Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: orientações para implementação [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde Brasília; 2018 [acesso em: 24 jan. 2020]. 180 p. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/biblioteca/pnaisc/.

Antunes JLF, Cardoso MRA. Uso da análise de séries temporais em estudos epidemiológicos. Epidemiol Serv Saude [Internet]. 2015 [acesso em: 10 fev. 2020];24(3):565-76. Disponível em: https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000300024.

Malta DC, Sardinha LMV, Moura L, Lansky S, Leal MC, Szwarcwald CL, et al. Atualização da lista de causas de mortes evitáveis por intervenções do Sistema Único de Saúde do Brasil. Epidemiol Serv Saude [Internet]. 2010 [acesso em: 24 jan. 2020];19(2):173-6. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742010000200010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades [Internet]. Rio de Janeiro (BR): Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2020 [acesso em: 24 jan. 2020]. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/uf.php?coduf=52.

Cardoso AM, Santos RV, Coimbra Jr CEA. Mortalidade infantil segundo raça/cor no Brasil: o que dizem os sistemas nacionais de informação?. Cad Saude Publica [Internet]. 2005 [acesso em: 04 abr. 2020];21(5):1602- 8. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2005000500035.

Hug L, Sharrow D, You D. Levels & trends in child mortality: report 2017. Estimates developed by the UN inter-agency Group for Child Mortality Estimation. New York: United Nations Children’s Fund; 2017. [acesso em: 15 jan. 2020]. Disponível em: https://www.unicef.org/reports/levels-and-trends-child-mortality-report-2017.

You D, Hug L, Ejdemyr S, Idele P, Hogan D, Mathers C, et al. Global, regional, and national levels and trends in under-5 mortality between 1990 and 2015, with scenario-based projections to 2030: a systematic analysis by the UN Inter-agency Group for Child Mortality Estimation. The Lancet [Internet]. 2015 [acesso em: 08 abr. 2020];386(10010):2275-86. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(15)00120-8.

Guerra AB, Guerra LM, Probst LF, Gondinho BVC, Ambrosano GMB, Melo EA, et al. Can the primary health care model affect the determinants of neonatal, post-neonatal and maternal mortality? A study from Brazil. BMC Health Serv Res [Internet]. 2019 [acesso em: 08 abr. 2020];19:133. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s12913-019-3953-0.

Gava C, Cardoso AM, Basta PC. Mortalidade infantil por cor ou raça em Rondônia, Amazônia Brasileira. Rev Saude Publica [Internet]. 2017 [acesso em: 17 abr. 2020];51:1-9. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2017051006411.

Ramalho AA, Andrade AM, Martins FA, Koifman RJ. Tendência da mortalidade infantil no município de Rio Branco, AC, 1999 a 2015. Rev Saude Publica [Internet]. 2018 [acesso em: 17 abr. 2020];52:33. Disponível em: https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2018052000280.

Barros FC, Matijasevich A, Requejo JH, Giugliani E, Maranhão AG, Monteiro CA, et al. Recent trends in maternal, newborn, and child health in Brazil: progress toward Millennium Development Goals 4 and 5. Amer J Public Health [Internet]. 2010 [acesso em: 18 abr. 2020];100(10):1877-89. Disponível em: https://doi.org/10.2105/AJPH.2010.196816.

Ceccon RF, Bueno ALM, Hesler LZ, Kirsten KS, Portes VM, Viecili PRN. Mortalidade infantil e Saúde da Família nas unidades da Federação brasileira, 1998- 2008. Cad Saúde Colet [Internet]. 2014 [acesso em: 20 abr. 2020];22(2):177-83. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1414-462X201400020011.

Bando DH, Kawano MK, Kumagai LT, Gouveia JLV, Reis TdM, Bernardo EdS, et al. Tendência das taxas de mortalidade infantil e de seus componentes em Guarulhos-SP, no período de 1996 a 2011. Epidemiol Serv Saude [Internet]. 2014 [acesso em: 20 abr. 2020];23(4):767-72. Disponível em: https://doi.org/10.5123/S1679-49742014000400019.

Santos EP, Ferrari RAP, Bertolozzi MR, Cardelli AAM, Godoy CB, Genovesi FF. Mortality among children under the age of one: analysis of cases after discharge from maternity. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2016 [acesso em: 20 abr. 2020];50(3):390-8. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0080-623420160000400003.

Thapa J, Budhathoki SS, Gurung R, Paudel P, Jha B, Ghimire A, et al. Equity and coverage in the continuum of reproductive, maternal, newborn and child health services in Nepal-Projecting the estimates on death averted using the list tool. Matern Child Health J [Internet]. 2020 [acesso em: 18 abr. 2020];24(1):22-30. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s10995-019-02828-y.

Chehuen Neto JA, Fonseca GM, Brum IV, Santos JLCT, Rodrigues TCGF, Paulino KR, et al. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: implementação, conhecimento e aspectos socioeconômicos sob a perspectiva desse segmento populacional. Cien Saude Colet [Internet]. 2015 [acesso em: 24 abr. 2020];20(6):1909-16. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232015206.17212014.

Netto A, Silva RMM, Santos MF, Tacla MTGM, Caldeira S, Brischiliari SCR. Mortalidade infantil: avaliação do Programa Rede Mãe Paranaense em regional de saúde do Paraná. Cogitare Enferm [Internet]. 2017 [acesso em: 24 abr. 2020];22(1):1-8. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v22i1.47634.

World Health Organization. The United Nations Children’s Fund. Ending preventable child deaths from pneumonia and diarrhoea by 2025: The integrated

Romero HSP, Rezende EM, Martins EF. Mortalidade por causas externas em crianças de um a nove anos. REME [Internet]. 2016 [acesso em: 24 abr. 2020];20:e958. Disponível em: http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20160027.

Araujo JP, Viera CS, Oliveira BRG, Gaiva MA, Rodrigues RM. Assessment of the essential attributes of Primary Health Care for children. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018 [acesso em: 28 abr. 2020];71(suppl. 3):1366-72. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0569.

Arroyo LH, Ramos ACV, Yamamura M, Weiller TH, Crispim JA, Cartagena-Ramos D, et al. Áreas com queda da cobertura vacinal para BCG, poliomielite e tríplice viral no Brasil (2006–2016): mapas da heterogeneidade regional. Cad Saude Publica [Internet]. 2020 [acesso em: 28 abr. 2020];36(4):e00015619. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00015619.

Global Action Plan for Pneumonia and Diarrhoea (GAPPD) [internet]. Geneva, Switzerland: World Health Organization. 2013. [acesso em: 24 abr. 2020]. Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/the-integrated-global-action-plan-for-prevention-and-control-of-pneumonia-and-diarrhoea-(gappd).

Publicado

23/11/2021

Como Citar

1.
Silva GO, Lemos LF, Aredes NDA. Estudo ecológico das tendências de mortalidade em menores de 5 anos em Goiás, 2000–2018. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 23º de novembro de 2021 [citado 14º de agosto de 2022];23. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/65426

Edição

Seção

Artigo Original