Elementos facilitadores no processo de doação de órgãos na perspectiva dos profissionais

Autores

  • Marcieli Koerich Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, marcieli_k@hotmail.com.
  • Eliane Regina Pereira do Nascimento Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, pongopam@terra.com.br. https://orcid.org/0000-0003-2215-4222
  • Daniele Delacanal Lazzari Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, danielelazza@gmail.com. https://orcid.org/0000-0003-1788-866X
  • Daniele Cristina Perin Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, danyperin@gmail.com.
  • Alex Becker Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, alcker@gmail.com.
  • Luciana Bihain Hagemann de Malfussi Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, lucianahagemann@gmail.com. https://orcid.org/0000-0002-3199-9529

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v23.63492

Palavras-chave:

Transplante de Órgãos, Obtenção de Tecidos e Órgãos, Morte Encefálica, Comissão Para Atividades Profissionais e Hospitalares, Enfermagem

Resumo

Objetivou identificar os elementos facilitadores no processo de doação de órgãos e tecidos para transplante, na perspectiva dos profissionais das Comissões Hospitalares de Transplantes. Estudo descritivo, qualitativo, realizado com 20 profissionais que compõem as Comissões Intra-Hospitalares de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevista semiestruturada, analisados por meio da técnica do Discurso do Sujeito Coletivo. Emergiram três ideias centrais que versaram sobre os profissionais atuantes na Terapia Intensiva e Emergência como membros da Comissão Hospitalar de Transplantes; Suporte da Central Estadual de Transplante; Coordenação da Comissão Hospitalar de Transplantes. Identificou-se como elementos facilitadores no processo de doação de órgãos e tecidos os profissionais das comissões do quadro funcional das respectivas unidades envolvidas no processo. É necessário um serviço organizado e articulado, de profissionais capacitados e de liderança resolutiva para garantir sucesso no processo de doação de órgãos e tecidos para transplantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Westphal GA, Garcia VD, Souza RL, Franke CA, Vieira KD, Birckholz VRZ, et al. Guidelines for the assessment and acceptance of potential brain-dead organ donors. Rev Bras Ter Intensiva [Internet]. 2016 [acesso em: 20 mar. 2021];28(3):220-55. Disponível em: https://doi.org/10.5935/0103-507X.20160049.

Jawoniyi O, Gormley K, McGleenan E, Noble HR. Organ donation and transplantation: Awareness and roles of healthcare professionals-A systematic literature review. J Clin Nurs [Internet];27(5-6):e726-38. Disponível em: https://doi.org/10.1111/jocn.14154.

Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos. Dados numéricos da doação de órgãos e transplantes realizados por estado e instituição no período: janeiro/setembro - 2020. Registro Brasileiro de Transplantes [Internet]. 2020 [acesso em: 20 mar. 2021];XXVI(3). Disponível em: https://site.abto.org.br/publicacao/xxvi-no-3-jan-set-de-2020/.

Coelho GHF, Bonella AE. Doação de órgãos e tecidos humanos: a transplantação na Espanha e no Brasil. Rev. bioet.(Impr.). [Internet]. 2019 [acesso em: 20 mar. 2021];27(3): 419-29. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1983-80422019273325.

Portaria de Consolidação Nº 4, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre os sistemas e os subsistemas do Sistema Único de Saúde (BR). Diário Oficial da União [Internet]. 03 out. 2017 [acesso em: 20 mar. 2021]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0004_03_10_2017.html.

Silva VS, Moura LC, Martins LR, Santos RCC, Schirmer J, Roza BA. In-house coordination project for organ and tissue procurement: social responsibility and promising results. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet]. 2016 [acesso em: 20 mar. 2021];24:e2773. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1518-8345.0841.2773.

Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos. Dimensionamento dos transplantes no Brasil e em cada estado (2012-2019). Registro Brasileiro de Transplantes [Internet]. 2019 [acesso em: 20 mar. 2021];XXV(4). Disponível em: http://www.abto.org.br/abtov03/Upload/file/RBT/2019/RBT-2019-leitura.pdf.

Lefreve F, Lefreve AMC. Pesquisa de representação social: Um enfoque qualiquantitativo: metodologia do discurso do sujeito coletivo. 2ª. ed. Brasília: Liber Livro Editora; 2012.

Lima ABC, Furieri LB, Fiorin BH, Romero WC, Lima EFA, Lopes AB, et al. Doação de órgãos e tecidos para transplantes: conhecimento, atitude e prática. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 2020 [acesso em: 20 mar. 2021];24:e-1309, Disponível em: https://doi.org/10.5935/1415-2762.20200046.

Senna CVA, Martins T, Knihs NS, Magalhães ALP, Paim SMS. Fragilidades e potencialidades vivenciadas pela equipe de saúde no processo de transplante de órgãos: revisão integrativa. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 2020 [acesso em: 20 mar. 2021];22:58317. Disponível em: https://doi.org/10.5216/ree.v22.58317.

Knihs NS, Magalhães ALP, Santos J, Wolter IS, Paim SMS. Organ and tissue donation: use of quality tool for process optimization. Esc. Anna Nery [Internet]. 2019 [acesso em: 20 mar. 2021];23(4):e20190084. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2019-0084.

Magalhães ALP, Lanzoni GMM, Kinhs NS, Silva EL, Erdmann AL. Segurança do paciente no processo de doação e transplante de órgãos e tecidos. Cogitare Enferm [Internet]. 2017 [acesso em: 20 mar. 2021];(22)2:e45621. Disponível em: https://doi.org/10.5380/ce.v22i2.45621.

Fernandes MEN, Bittencourt ZZLC, Boin IFSF. Experiencing organ donation: feelings of relatives after consent. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet]. 2017 [acesso em: 20 mar. 2021];23(5):895-901. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104-1169.0486.2629.

Nguyen AT, Brzezinski M, Chen J, Nguyen NV, Dinh LV, Kukreja J. Lung transplant programs in developing countries: challenges, solutions, and outcomes. Curr Opin Organ Transplant [Internet]. 2020 [acesso em: 20 mar. 2021];25(3):299-304. Disponível em: https://doi.org/10.1097/MOT.0000000000000766.

Costa CR, Costa LP, Aguiar N. A enfermagem e o paciente em morte encefálica na UTI. Rev. bioet.(Impr.). [Internet]. 2016 [acesso em: 20 mar. 2021];24(2):368-73. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1983-80422016242137.

Magalhães ALP, Erdmann AL, Sousa FGM, Lanzoni GMM, Silva EL, Mello ALSF. Significados do cuidado de enfermagem ao paciente em morte encefálica potencial doador. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2018 [acesso em: 20 mar. 2021];39:e2017-0274. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2018.20170274.

Tantillo L, González JM, Ortega J. Organ Donation After Circulatory Death and Before Death: Ethical Questions and Nursing Implications. Policy Polit Nurs Pract [Internet]. 2019 [acesso em: 20 mar. 2021];20(3):163-73. Disponível em: https://doi.org/10.1177/1527154419864717.

Atik B, Kılınç G, Atsal AÖ, Çöken F, Yarar V. Our Brain Death and Organ Donation Experience: Over 12 Years. Transplantation Proceedings [Internet]. 2019 [acesso em: 20 mar. 2021];51(7):2183-5. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.transproceed.2019.01.148.

Tolfo F, Camponogara S, López Montesinos MJ, Siqueira HCH, Scarton J, Beck CLC. La inserción del enfermero en la comisión intrahospitalaria de donación de órganos y tejidos. Enf Global [Internet]. 2018 [acesso em: 20 mar. 2021];17(2):185-223. Disponível em: http://dx.doi.org/10.6018/eglobal.17.2.289461.

Publicado

24/03/2021

Como Citar

1.
Koerich M, Nascimento ERP do, Lazzari DD, Perin DC, Becker A, Malfussi LBH de. Elementos facilitadores no processo de doação de órgãos na perspectiva dos profissionais. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 24º de março de 2021 [citado 22º de maio de 2024];23:63492. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/63492

Edição

Seção

Artigo Original