Evolução clínica dos indicadores de resultados de enfermagem em pacientes com padrão respiratório ineficaz

Autores

  • Luciana Nabinger Menna Barreto Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, luciana.nabinger@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-8166-9480
  • Marcos Barragan da Silva Escola de Educação Profissional UNIPACS, Taquara, Rio Grande do Sul, Brasil, marcossbarragan@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-6476-9746
  • Aline Tsuma Gaedke Nomura Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, alinenomura@hotmail.com https://orcid.org/0000-0002-2584-5769
  • Amália de Fátima Lucena Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, afatimalucena@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-9068-7189
  • Miriam de Abreu Almeida Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, miriam.abreu2@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-4942-9882

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v22.60784

Palavras-chave:

Diagnóstico de Enfermagem, Sistema Respiratório, Avaliação de Resultados em Cuidados de Saúde

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar a evolução clínica dos indicadores de resultados de enfermagem em pacientes com Padrão Respiratório Ineficaz, através da Nursing Outcomes Classification. Trata-se de estudo longitudinal prospectivo realizado em hospital universitário, com 25 pacientes com doenças pulmonares, que foram acompanhados durante um período de três dias ou até alta hospitalar. Os indicadores dos resultados de enfermagem Estado Respiratório, Nível de Fadiga e Nível de Ansiedade foram avaliados utilizando técnicas propedêuticas de avaliação respiratória e escala Likert de cinco pontos, conforme a Nursing Outcomes Classification. Quando agrupadas as médias de todos os indicadores, observou-se evolução de melhora significativa na média (p<0,001), na comparação entre a primeira e última avaliação, destacando-se Tosse (p=0,017) e Ansiedade verbalizada (p=0,013). A Dispneia obteve melhora estatisticamente significativa (p=0,017) na avaliação diária. Observou-se que a Nursing Outcomes Classification possibilita mensurar a evolução clínica dos resultados dos pacientes, bem como o grau de comprometimento do padrão respiratório.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Antunes FP, Costa MCN, Paim JS, Vieira-da-Silva LM, Cruz AA, Natividade M, et al. Desigualdades sociais na distribuição espacial das hospitalizações por doenças respiratórias. Cad Saúde Pública. 2013;29(7):1346-56. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000700009.

Garske CCD, Schneiders PB, Silva ALG, Carvalho LL. Custo de exacerbações em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica submetidos a um programa de reabilitação pulmonar. Rev Epidemiol Control Infecç. 2018;8(3):204-9. http://dx.doi.org/10.17058/reci.v8i3.11093.

Prado PR, Bettencourt ARC, Lopes JL. Características definidoras e fatores relacionados do diagnóstico de enfermagem padrão respiratório ineficaz. Rev Bras Enferm. 2019; 72(1):230-9. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0061.

Seganfredo DH, Beltrão BA, Silva VM, Lopes MVO, Castro SMJ, Almeida MA. Analysis of ineffective breathing pattern and impaired spontaneous ventilation of adults with oxygen therapy. Rev. Latino- Am. Enfermagem. 2017;25:e2954. https://doi.org/10.1590/1518-8345.1950.2954.

Vieira GACM, Costa MML, Santos MAS, Menezes TL. Avaliação do processo de enfermagem em um hospital universitário em Campina Grande. Rev Pesqui Cuid Fundam Online. 2014;6(4):1558-70. https://doi.org/10.9789/2175-5361.2014.v6i4.1558-1570.

Lira LN, Santos SSC, Vidal DAS, Gautério DP, Tomaschewski-Barlem JG, Piexak DR. Diagnósticos e prescrições de enfermagem para idosos em situação hospitalar. Av Enferm. 2015;33(2):251-60. http://dx.doi.org/10.15446/av.enferm.v33n2.30762.

Avena MJ, Pedreira MLG, Herdman TH, Gutiérrez MG. Respiratory nursing diagnoses: presenting evidence for identification of the defining characteristics in neonatal and pediatric populations. Int J Nurs Terminol Classif. 2016;27(4):184-92. http://dx.doi.org/10.1111/2047-3095.12098.

Moorhead S, Johnson M, Maas ML, Swanson E. Classificação de Resultados de Enfermagem (NOC). 5a ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2016.

Silva NCM, Oliveira ARS, Carvalho EC. Conhecimento produzido sobre os resultados da “Nursing Outcomes Classification – NOC”: revisão integrativa. Rev Gaúcha Enferm. 2015; 36(4):104-111. http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2015.04.53339.

Chaves DBR, Beltrão BA, Pascoal LM, Oliveira ARS, Andrade LZC, Santos ACB, et al. Características definidoras do diagnóstico de enfermagem “desobstrução ineficaz de vias aéreas”. Rev Bras Enferm. 2016;69(1):102-9. https://doi.org/10.1590/0034-7167.2016690114i.

Maia LFS, Santos BL, Pereira CMJ, Santos MM, Rodrigues EP, Santos MC. Assistência de enfermagem ao adulto com agravos respiratórios. Revista Recien. 2016;6(18):85-91. https://doi.org/10.24276/rrecien2358-3088.2016.6.18.85-91.

Herdman TH, Kamitsuru S. Diagnósticos de enfermagem da NANDA–I: definições e classificação 2018–2020. Porto Alegre: Artmed; 2017.

Bulechek GM, Dochterman J, Butcher H, Wagner C. Classificação de Intervenções de Enfermagem (NIC). 6a ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2016.

Vidotto LS, Carvalho CRF, Harvey A, Jones M. Disfunção respiratória: o que sabemos? J Bras Pneumol. 2019;45(1):e20170347. https://doi.org/10.1590/1806-3713/e20170347.

GBD 2015 Mortality and Causes of Death Collaborators. Global, regional, and national life expectancy, all-cause mortality, and cause-specific mortality for 249 causes of death, 1980–2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015. The Lancet. 2016;388(10053):1459-544. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(16)31012-1.

Areias V, Carreira S, Anciães M, Pinto P, Bárbara C. Co-morbidities in patients with gold stage 4 chronic obstructive pulmonary disease. Revista Portuguesa de Pneumologia. 2014;20(1):5-11. https://doi.org/10.1016/j.rppnen.2013.09.001.

Leal LF, Bertoldi AD, Menezes AMB, Borges RB, Mengue SS, Gazzana MB, et al. Indicação, acesso e utilização de medicamentos para doenças respiratórias crônicas no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional sobre Acesso, Utilização e Promoção do Uso Racional de Medicamentos no Brasil (PNAUM), 2014. Cad Saúde Pública. 2018;34(10): e00208217. https://doi.org/10.1590/0102-311x00208217.

Franco B, Busin L, Chianca TCM, Moraes VM, Pires AUB, Lucena AF. Associações entre discriminadores do Sistema de Triagem de Manchester e diagnósticos de enfermagem. Rev Gaúcha Enferm. 2018:39:e2017-0131. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2018.2017-0131.

Araújo LC, Romero B. Dor: avaliação do 5o sinal vital. Uma reflexão teórica. Rev Dor. 2015;16(4):291-6. https://doi.org/10.5935/1806-0013.20150060.

Barreto PH, Silva FSL, Vasconcelos RS, Sales RP, Vasconcelos TB, Nogueira ANC, et al. Análise do conhecimento dos profissionais de saúde sobre o uso de oxigenoterapia em um hospital universitário de Fortaleza– CE. Rev Med UFC. 2017;57(3):18-23. https://doi.org/10.20513/2447-6595.2017v57n3p18-23.

Aquino RD, Fonseca SM, Lourenço EPL, Leite AL, Bettencourt ARC. Mapeamento dos diagnósticos de enfermagem em uma unidade de pneumologia. Acta Paul Enferm. 2011; 24(2):192-8. https://doi.org/10.1590/S0103-21002011000200006.

Publicado

25/06/2020

Como Citar

1.
Barreto LNM, Silva MB da, Nomura ATG, Lucena A de F, Almeida M de A. Evolução clínica dos indicadores de resultados de enfermagem em pacientes com padrão respiratório ineficaz. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 25º de junho de 2020 [citado 3º de março de 2024];22:60784. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/60784

Edição

Seção

Artigo Original