Motivação para primeira experiência do uso de drogas e recaídas de pessoas em tratamento

Autores

  • Sheila Mara Pedrosa Centro Universitário de Anápolis (Unievangélica). Anápolis (GO), Brasil. sheilaenf@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-2530-3687
  • Karlla Antonieta Amorim Caetano Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiânia (GO), Brasil. karlla@ufg.br
  • Divânia Dias da Silva França Secretaria de Estado de Saúde do Governo de Goiás. Goiânia (GO), Brasil. divania.franca@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-7765-7970
  • Leandro Nascimento da Silva Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia. Goiânia (GO), Brasil. leandro.nascimento7@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-3749-8215
  • Paulie Marcelly Ribeiro dos Santos Carvalho Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC). Goiânia (GO), Brasil. pauliemarcelly@gmail.com https://orcid.org/0000-0003-0056-364X
  • Walterlânia Silva Santos Universidade de Brasília (UnB). Ceilândia (DF), Brasil. walterlaniasantos@gmail.com https://orcid.org/0000-0001-6266-8901
  • Sheila Araujo Teles Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiânia (GO), Brasil. sateles@ufg.br
  • Marcelo Medeiros Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiânia (GO), Brasil. marcelofen@gmail.com https://orcid.org/0000-0001-6979-3211

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v22.58894

Palavras-chave:

Cocaína Crack, Relacionados ao Uso de Cocaína, Síndrome de Abstinência a Substâncias, Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias

Resumo

O objetivo deste estudo foi investigar a motivação para primeira experiência no uso de drogas e recaídas após abstinência por pessoas com dependência química induzida pelo crack. Estudo descritivo, de abordagem mista. Foram realizadas 600 entrevistas com a utilização de questionário estruturado, na etapa quantitativa, e oito grupos focais, na etapa qualitativa, com total de 39 participantes. Para análise de dados utilizou-se o software SPSS e o método de interpretação de sentidos. A curiosidade motivou a iniciação do uso de drogas, assim como a pressão dos amigos e problemas familiares. Já a dificuldade de ficar sem a droga, vontade de sentir o efeito novamente, pressão de amigos, problemas familiares, decepção pela desconfiança dos familiares e o uso de drogas na própria instituição de tratamento foram relatados como motivadores de recaída. Os dados em ambas as metodologias foram convergentes e ratificaram os resultados obtidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bastos FIPM, Vasconcellos MTL, De Boni RB, Reis NB, Coutinho CFS. III Levantamento nacional sobre o uso de drogas pela população brasileira [Internet]. Rio de Janeiro: ICICT/FIOCRUZ; 2017 [acesso em: 27 dez. 2020]. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/34614.

UNODC. World Drug Report 2013 [Internet]. Nova York: United Nations; 2013 [acesso em: 27 dez. 2020]. Disponível em: https://www.unodc.org/unodc/secured/wdr/wdr2013/World_Drug_Report_2013.pdf.

UNODC. World Drug Report - 2017. [Internet]. Viena: ONU; c2020 [acesso em: 27 dez. 2020]. Disponível em: https://www.unodc.org/wdr2017/.

Abdalla RR, Madruga CS, Ribeiro M, Pinsky I, Caetano R, Laranjeira R. Prevalence of cocaine use in Brazil: data from the II Brazilian national alcohol and drugs survey (BNADS). Addict Behav [Internet]. 2014 [acesso em: 27 dez. 2020];39(1):297-301. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.addbeh.2013.10.019.

Formigoni MLOS, Kessler FHP, Pechansky F, Baldisserotto CFP, Abrahão KP. Neurobiologia: mecanismos de reforço e recompensa e os efeitos biológicos comuns às drogas de abuso. In: SENAD. Efeitos de substâncias psicoativas (Módulo 2). SUPERA, Brasília: SENAD, 2014, p. 12-26.

Silveira KL, Oliveira MM, Nunes BP, Alves PF, Pereira GB. Craving em usuários de crack segundo características individuais e comportamentais. Epidemiol. Serv. Saúde [Internet]. 2019 [acesso em: 27 dez. 2020];28(1):e2018304. Disponível em: https://doi.org/10.5123/s1679-49742019000100022.

Soares I, Esswein GC, Benetti SPC. Motivação para mudança em homens e mulheres dependentes de crack. Psicologia, Saúde & Doenças [Internet]. 2017 [acesso em: 27 dez. 2020];18(2):567-80. Disponível em: https://doi.org/10.15309/17psd180223.

Félix Junior IJ, Calheiros PRV, Crispim PTB. Motivação para mudança no uso de substâncias entre usuários de drogas encaminhados pela justiça. Temas em Psicologia [Internet]. 2018 [acesso em: 27 dez. 2020];26(3):1363-78. Disponível em: https://doi.org/10.9788/TP2018.3-09Pt.

Ainslie JB, Rehm J, Fischer B. Health outcomes associated with crack-cocaine use: Systematic review and meta-analyses. Drug Alcohol Depend [Internet]. 2017 [acesso em: 27 dez. 2020];180:401-16. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.drugalcdep.2017.08.036.

Paranhos R, Figueiredo Filho DB, Rocha EC, Silva Júnior JA, Freitas D. Uma introdução aos métodos mistos. Sociologias [Internet]. 2016 [acesso em: 27 dez. 2020];18(42):384-411. Disponível em: https://doi.org/10.1590/15174522-018004221.

Steinmetz-Wood M, Pluye P, Ross NA. The planning and reporting of mixed methods studies on the built environment and health. Prev Med [Internet]. 2019 [acesso em: 27 dez. 2020];126:105752. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.ypmed.2019.105752.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: HUCITEC; 2014. 416p.

Bastos FIPM, Bertoni N. Pesquisa Nacional sobre o uso de crack: quem são os usuários de crack e/ou similares do Brasil? Quantos são nas capitais brasileiras? [Internet]. Rio de Janeiro: ICIT/FIOCRUZ; 2014 [acesso em: 27 dez. 2020]. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/10019.

Carvalho MRS, Silva JRS, Gomes NP, Andrade MS, Oliveira JF, Souza MRR. Motivations and repercussions regarding crack consumption: the collective discourse of users of a Psychosocial Care Center. Esc Anna Nery [Internet]. 2017 [acesso em: 27 dez. 2020];21(3):e20160178. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2016-0178.

Carlini EA, Noto AR, Sanches ZM, Carlini CMA, Locatelli DP, Abeid LR, et al. VI Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio das Redes Pública e Privada de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras – 2010 [Internet]. São Paulo: CEBRID / UNIFESP; 2010 [acesso em: 27 dez. 2020]. 503 p. Disponível em: https://www.cebrid.com.br/wp-content/uploads/2012/10/VI-Levantamento-Nacional-sobre-o-Consumo-de-Drogas-Psicotrópicas-entre-Estudantes-do-Ensino-Fundamental-e-Médio-das-Redes-Pública-e-Privada-de-Ensino-nas-27-Capitais-Brasileiras.pdf.

Willhelm AR, Pereira AS, Kollera SH, Almeida RMM. Altos níveis de impulsividade e consumo de álcool na adolescência. Rev Latinoam Psicol [Internet]. 2018 [acesso em: 27 dez. 2020];50(1):1-8. Disponível em: https://doi.org/10.14349/rlp.2018.v50.n1.1.

Ferreira Filho OF, Turchi MD, Laranjeira R, Castelo A. Perfil sociodemográfico e de padrões de uso entre dependentes de cocaína hospitalizados. Rev Saude Publica [Internet]. 2003 [acesso em: 27 dez. 2020];37(6):751-759. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0034-89102003000600010.

Moura HF, Benzano D, Pechansky F, Kessler FHP. Crack/cocaine users show more family problems than other substance users. Clinics (Sao Paulo) [Internet]. 2014;69(7):497-9. Disponível em: https://doi.org/10.6061/clinics/2014(07)10.

Wang YC, Yu JC, Chen JY, Wang ZZ. [Factors associated with illicit drug use intention in secondary vocational school students based on theory of triadic influence]. Zhonghua Liu Xing Bing Xue Za Zhi [Internet]. 2018 [acesso em: 27 dez. 2020];39(7):925-30. Disponível em: https://doi.org/10.3760/cma.j.issn.0254-6450.2018.07.012. [Article in Chinese].

Pedrosa SM, Reis ML, Gontijo DT, Teles SA, Medeiros M. The path to crack addiction: perceptions of people under treatment. Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 [acesso em: 27 dez. 2020];69(5):956-63. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0045.

Soto MGR, Rozisca VF, Cunha RV. Práticas parentais: reflexões sobre relatos de familiares de usuários de crack. Estudos Interdisciplinares em Psicologia [Internet]. 2017 [acesso em: 27 dez. 2020];8(1):100-18. Disponível em: https://doi.org/10.5433/2236-6407.2017v8n1p100.

Lappann NC, Machado JSA, Tameirão FV, Benjamim MLN. Craving pelo crack nos usuários em tratamento no centro de atenção psicossocial. SMAD Rev Eletr Saúde Mental Álcool Drog [Internet]. 2015 [acesso em: 27 dez. 2020];11(1):19-24. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.v11i1p19-24.

Kolind T, Hesse M. Patient-centred care-perhaps the future of substance abuse treatment. Addiction [Internet]. 2017 [acesso em: 27 dez. 2020];112(3):465-6. Disponível em: https://doi.org/10.1111/add.13673.

Gonçalves JR, Nappo SA. Factors that lead to the use of crack cocaine in combination with marijuana in Brazil: a qualitative study. BMC Public Health [Internet]. 2015 [acesso em: 27 dez. 2020];15:706. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s12889-015-2063-0.

Stewart MJ, Fulton HG, Barrett SP. Powder and crack cocaine use among opioid users: is all cocaine the same? J Addict Med [Internet]. 2014 [acesso em: 27 dez. 2020];8(4):264-70. Disponível em: https://doi.org/10.1097/ADM.0000000000000047.

Publicado

29/12/2020

Como Citar

1.
Pedrosa SM, Caetano KAA, França DD da S, Silva LN da, Carvalho PMR dos S, Santos WS, Teles SA, Medeiros M. Motivação para primeira experiência do uso de drogas e recaídas de pessoas em tratamento. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 29º de dezembro de 2020 [citado 25º de julho de 2024];22:58894. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/58894

Edição

Seção

Artigo Original