Fatores relacionados, tendência temporal e associação espacial do abandono de tratamento para tuberculose em Ribeirão Preto-SP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v22.58883

Palavras-chave:

Tuberculose, Cooperação e Adesão ao Tratamento, Saúde Pública, Análise Espacial

Resumo

Objetivou-se identificar fatores relacionados, classificar a tendência temporal e identificar áreas com associação espacial do abandono de tratamento para tuberculose em Ribeirão Preto, São Paulo. Estudo ecológico; população composta pelos casos notificados entre 2006 a 2017. Realizou-se o teste qui-quadrado para identificar fatores relacionados. Para a tendência temporal, utilizou-se o método de Prais-Winsten para classificar a tendência temporal do evento e calculada sua porcentagem de variação anual. Para verificar associação espacial, utilizaram-se as técnicas G e Gi*. Foram notificados 146 casos de abandono do tratamento da doença no período; como fatores de risco foi identificado pessoas sem escolaridade, retratamentos pós-abandono e falência prévia; como proteção casos novos identificados pela busca ativa, não ter coinfecção Tuberculose-HIV e não fazer uso de álcool ou drogas. A taxa de abandono apresenta tendência crescente (APC=1,6%; IC95% 0.02–3.48). O estudo evidencia o aumento do abandono de tratamento, contrariando as políticas direcionadas pelo End TB Strategy.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

World Health Organization. Global tuberculosis report 2018 [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2018 [acesso em: 31 maio 2020]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/274453/9789241565646-eng.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasil livre da tuberculose: plano

nacional pelo fim da tuberculose como problema de saúde pública [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2017 [acesso em: 31 maio 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/brasil_livre_tuberculose_plano_nacional.pdf.

Chirinos NEC, Meirelles BHS. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose: uma revisão integrativa. Texto Contexto Enferm. 2011;20(3):599-606. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072011000300023.

Nunes C, Duarte R, Veiga AM, Taylor B. Who are the patients that default tuberculosis treatment? – space matters! Epidemiol Infect. 2017;145(6):1130-34. https://doi.org/10.1017/S0950268816003307P.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapas: bases e referenciais. Rio de Janeiro: IBGE; 2014. Disponível em: http://mapas.ibge.gov.br/bases-e-referenciais/bases-cartograficas/cartas. Acesso em: 30 mar. 2016.

Ribeirão Preto. Prefeitura Municipal. Secretaria Municipal de Saúde. [Internet]. [acesso em: 31 maio 2020]. Disponível em: https://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/ssaude/pdf/programas124.pdf.

Hino P, Villa TCS, Cunha TN, Santos CB. Padrões espaciais da tuberculose e sua associação à condição de vida no município de Ribeirão Preto. Ciência & Saúde Coletiva. 2011;16(12):4795-802. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001300028.

Prais SJ, Winsten CB. Trend estimators and serial correlation. Chicago: Cowles Commission; 1954. (CCDP statistics, n.383).

Antunes JLF, Cardoso MRA. Uso da análise de séries temporais em estudos epidemiológicos. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(3):565-76. https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000300024.

Getis A, Ord JK. The analysis of spatial association by use of distance statistics. Geographical analysis. 1992;24(3):189-206. https://doi.org/10.1111/j.1538-4632.1992.tb00261.x.

Caliari JS, Figueiredo RM. Tuberculosis: patient profile, service flowchart, and nurses opinions. Acta Paul Enferm. 2012;25(1):43-7. https://doi.org/10.1590/S0103-21002012000100008.

Furlan MCR, Oliveira SP, Marcon SS. Fatores associados ao abandono do tratamento de tuberculose no estado do Paraná. Acta Paul Enferm. 2012;25(spe1):108-14. https://doi.org/10.1590/S0103-21002012000800017.

Santos JN, Sales CMM, Prado TN, Maciel EL. Fatores associados à cura no tratamento da tuberculose no estado do Rio de Janeiro, 2011-2014. Epidemiol Serv Saúde. 2018;27(3):e2017464. http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742018000300015.

Ferreira MRL, Bonfim RO, Siqueira TC, Orfão NH. Abandonment of tuberculosis treatment: an integrative review. J Contemp Nurs. 2018;7(1):63-71. http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v7i1.1579.

Silva CC, Andrade MS, Cardoso MD. Fatores associados ao abandono do tratamento de tuberculose em indivíduos acompanhados em unidades de saúde de referência na cidade do Recife, Estado de Pernambuco, Brasil, entre 2005 e 2010. Epidemiol Serv Saúde. 2013;22(1):77-85. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742013000100008.

Ponce MAZ, Vendramini SHF, Santos MR, Santos MLSG, Scatena LM, Villa TCS. Vínculo profissional/doente no tratamento da tuberculose: desempenho da atenção básica em município do interior paulista. Rev Latino-Am Enfermagem. 2011;19(5):1222-29. https://doi.org/10.1590/S0104-11692011000500021.

Gebrezgabiher G, Romha G, Ejeta E, Asebe G, Zemene E, Ameni G. Treatment outcome of tuberculosis patients under directly observed treatment short course and factors affecting outcome in Southern Ethiopia: a five-year retrospective study. PLoS One. 2016;26;11(2):e0150560. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0150560.

Rodrigues ILA, Monteiro LL, Pacheco RHB, Silva SED. Abandono do tratamento de tuberculose em co-infectados TB/HIV. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(2):383-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000200020.

Santos Júnior GM, Santos DO, Gibaut MAM, Bispo TCF. Tuberculose: adesão ao tratamento e os fatores que desencadeiam em abandono. Revista Enfermagem Contemporânea. 2016;5(2):284-92. http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v5i2.1041.

Yamamura M, Freitas IM, Santo-Neto M, Chiaravalloti- Neto F, Popolin MAP, Arroyo LH, et al. Análise espacial das internações evitáveis por tuberculose em Ribeirão Preto, SP (2006–2012). Rev Saúde Pública. 2016;50(20):1-11. http://dx.doi.org/10.1590/S1518-8787.2016050006049.

Brunello MEF, Chiaravalloti-Neto F, Arcêncio RA, Andrade RLP, Magnabosco GT, Villa TCS. Áreas de vulnerabilidade para co-infecção HIV- aids/TB em Ribeirão Preto, SP. Rev Saúde Pública. 2011;45(3):556-63. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000018.

Spagnolo LML, Tomberg JO, Vieira DA. Gonzales, RIC. Detecção da tuberculose: fluxo dos sintomáticos respiratórios e resultados alcançados. Rev Bras Enferm. 2018;71(5):2692-700. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0457.

Publicado

25/06/2020

Como Citar

1.
Berra TZ, Bruce ATI, Alves YM, Campoy LT, Arroyo LH, Crispim J de A, Alves LS, Arcêncio RA. Fatores relacionados, tendência temporal e associação espacial do abandono de tratamento para tuberculose em Ribeirão Preto-SP. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 25º de junho de 2020 [citado 27º de maio de 2024];22:58883. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/58883

Edição

Seção

Artigo Original