Sentimentos dos filhos ao vivenciarem o adoecimento dos pais

  • Julia Wakiuchi Universidade Estadual de Maringá
  • Aline Lima Ribeiro
  • Gabriella Michel dos Santos Benedetti Universidade Estadual do Paraná
  • Maria de Fátima Garcia Lopes Merino Universidade Estadual de Maringá
  • Sonia Silva Marcon Universidade Estadual de Maringá
  • Catarina Aparecida Sales Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: Neoplasias, Criança, Poder Familiar, Enfermagem Pediátrica, Pesquisa Qualitativa

Resumo

Objetivou-se apreender as vivências de crianças que experienciam o adoecimento de seus pais por câncer. Estudo descritivo de abordagem qualitativa, com seis crianças entre 10 e 12 anos incompletos de idade, filhos de pacientes com câncer atendidos por uma instituição de apoio. Os dados foram coletados entre julho e agosto de 2015, a partir da questão norteadora: “Como você se sente com a doença do seu pai/mãe?”. Da análise emergiram duas categorias: Reconhecendo a doença e a possibilidade da morte dos pais e, Crescendo como criança e vivendo como adulto: as repercussões do câncer dos pais na vida dos filhos, que revelam que as crianças compreendem o câncer e a possibilidade da morte de seus pais, sendo também afetados pela doença que adentra seu lar. Conclui-se que, vivenciando os temores e repercussões do câncer, as crianças devem ser acompanhadas pela família e equipe de saúde durante o adoecimento dos pais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia Wakiuchi, Universidade Estadual de Maringá
Enfermeira, Mestre em Enfermagem. Discente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, nível Doutorado, da Universidade Estadual de Maringá. Maringá, PR, Brasil. E-mail: julia.wakiuchi@gmail.com.
Aline Lima Ribeiro
Enfermeira. Maringá, PR, Brasil. E-mail: aline__lr@hotmail.com.
Gabriella Michel dos Santos Benedetti, Universidade Estadual do Paraná
Enfermeira, Mestre em Enfermagem. Discente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, nível Doutorado, da Universidade Estadual de Maringá. Docente da Universidade Estadual do Paraná. Paranavaí, PR, Brasil. E-mail: enfermeiragabi@hotmail.com.
Maria de Fátima Garcia Lopes Merino, Universidade Estadual de Maringá
Enfermeira, Mestre em Enfermagem. Discente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, nível Doutorado, da Universidade Estadual de Maringá. Professora Assistente da Universidade Estadual de Maringá. Maringá, PR, Brasil. E-mail: fatimamerino@gmail.com.
Sonia Silva Marcon, Universidade Estadual de Maringá
Enfermeira, Doutora em Enfermagem. Professora Titular da Universidade Estadual de Maringá. Maringá, PR, Brasil. E-mail: soniasilva.marcon@gmail.com.
Catarina Aparecida Sales, Universidade Estadual de Maringá
Enfermeira, Doutora em Enfermagem na Saúde do Adulto. Professora Adjunto da Universidade Estadual de Maringá. Maringá, PR, Brasil. E-mail: casales@uem.br.
Publicado
22-12-2016
Como Citar
Wakiuchi, J., Ribeiro, A., Benedetti, G. M. dos, Merino, M. de F., Marcon, S., & Sales, C. A. (2016). Sentimentos dos filhos ao vivenciarem o adoecimento dos pais. Revista Eletrônica De Enfermagem, 18. https://doi.org/10.5216/ree.v18.41543
Seção
Artigo Original